Mercado fechado

Fungo pode mudar de forma para entrar no cérebro humano

Fungo pode mudar de forma para entrar no cérebro humano
Fungo pode mudar de forma para entrar no cérebro humano

Um fungo capaz de mudar sua forma para se alojar no cérebro humano acaba de ser analisado por cientistas. Conhecido como Cryptococcus neoformans, ele se adapta para passar através da barreira hematoencefálica, uma camada de proteção usada para manter patógenos fora do cérebro, de acordo com um artigo publicado no periódico Cell Host & Microbe.

Estudo diz que o fungo Cryptococcus neoformans se adapta para passar através da barreira hematoencefálica, uma camada de proteção usada para manter patógenos fora do nosso cérebro. Imagem: Kateryna Kon – Shutterstock
Estudo diz que o fungo Cryptococcus neoformans se adapta para passar através da barreira hematoencefálica, uma camada de proteção usada para manter patógenos fora do nosso cérebro. Imagem: Kateryna Kon – Shutterstock

“As mudanças pelas quais ele passa quando entra pela primeira vez no corpo são muito incríveis e ainda estamos tentando entendê-lo”, disse Jessica Brown, patologista da Universidade de Utah e coautora do artigo, em declaração ao site Newsweek.

Segundo Brown, os C. neoformans podem ser encontrados na natureza vivendo em madeira podre ou em fezes de pássaros. De acordo com o Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos EUA (CDC), se inalado, esse fungo pode infectar os pulmões e outros órgãos, incluindo o cérebro, levando à meningite criptocócica.

Os pesquisadores descobriram que as superfícies das menores células de C. neoformans presentes em cérebros de camundongos mudaram quando entraram no órgão. “As células cryptococcus nos pulmões são muito diversas, com tamanhos diferentes e aparências diferentes. Então, quando meu aluno de pós-graduação me mostrou fotos da uniformidade das células do cérebro, fiquei chocada”, disse a pesquisadora.

“Demonstramos que a formação de um pequeno morfotipo C. neoformans — chamado de células de ‘sementes’ devido à sua capacidade de colonização — é fundamental para a entrada em órgãos extrapulmonares”, escreveram os autores no artigo. “As células de sementes apresentam alterações no tamanho das células fúngicas e na expressão da superfície que resultam em uma atualização aprimorada do macrófago”.

Brown explica que essas células de sementes têm uma superfície alterada que faz com que elas sejam tomadas por macrófagos (células imunes). “Em vários tecidos, os macrófagos são responsáveis por conter invasores, então eles vão levá-los e tentar sequestrar e destruir o invasor”, disse ela. “Achamos que as células de sementes exploram essa tendência, são transportadas pelo macrófago para dentro do órgão mais facilmente, e depois escapam e crescem em seu novo ambiente de órgãos se as condições forem favoráveis, como são no cérebro”.

Fungo Cryptococcus neoformans se adapta para ultrapassar barreira hematoencefálica, que mantém patógenos fora do nosso cérebro. Imagem: Kateryna Kon – Shutterstock
Fungo Cryptococcus neoformans se adapta para ultrapassar barreira hematoencefálica, que mantém patógenos fora do nosso cérebro. Imagem: Kateryna Kon – Shutterstock

Segundo a cientista, depois que uma célula de semente entra no cérebro, o primeiro tipo de células a se formar são chamadas titãs, porque são gigantescas, contendo pelo menos quatro vezes mais cópias de DNA do que uma célula C. neoformans “normal”.

“Essas células titãs se formam diretamente das células de sementes infectantes”, disse Brown. “As células de sementes que estudamos, as pequenas que entram no cérebro, provavelmente não se formam quando outra célula encolhe. Em vez disso, pensamos que as células de sementes se formam através de gerações: uma célula normal ou titã recebe um sinal, então quando ela se divide para formar uma nova célula, ela faz uma célula de sementes como sua descendência em vez de uma célula como ela mesma. As células de sementes provavelmente formam outras células de sementes quando se dividem”.

Para Brown, há algo mais estranho nesse fungo. “A coisa assustadora sobre esse fungo é que não achamos que ele queira entrar no cérebro em si”, disse ela. “Não é passado de pessoa para pessoa, então não há realmente nenhuma seleção evolutiva para crescer dentro de uma pessoa como há com, por exemplo, vírus respiratórios”.

Leia mais:

Brown e sua equipe acreditam que o fungo é um acidente evolutivo. “C. neoformans cresce extremamente bem em inositol, que é encontrado em grandes quantidades no fluido espinhal, medula espinhal e tecido cerebral. Isso pode ser resultado do ambiente natural de C. neoformans, que é solo, árvores e fezes de aves, já que a matéria vegetal é alta em inositol”.

Por isso, eles acreditam que os neoformans adquiriram a capacidade de crescer em inositol em seu nicho ambiental “e essa capacidade acaba sendo problemática quando as pessoas são infectadas, já que quando esses fungos atingem o sistema nervoso central rico em inositol, ele cresce bem e não há muito o que se faça para impedi-lo disso”.

Os pesquisadores estão preocupados que os efeitos das mudanças climáticas possam tornar os C. neoformans mais proficientes em infectar humanos. “Uma preocupação no futuro é que, com as mudanças climáticas, micróbios como fungos se adaptarão a condições estressantes (extremos de temperatura, seca, etc.) que aumentarão sua capacidade de sobreviver às condições estressantes dentro do corpo humano”, explicou Brown, dizendo que ela e seus colaboradores esperam que sua descoberta possa levar a novas estratégias para bloquear a infecção por C. neoformans.

Já assistiu aos novos vídeos no YouTube do Olhar Digital? Inscreva-se no canal!