Mercado abrirá em 6 hs
  • BOVESPA

    110.035,17
    -2.220,83 (-1,98%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.592,91
    +282,61 (+0,64%)
     
  • PETROLEO CRU

    62,57
    +1,07 (+1,74%)
     
  • OURO

    1.753,10
    +24,30 (+1,41%)
     
  • BTC-USD

    45.942,36
    +998,66 (+2,22%)
     
  • CMC Crypto 200

    917,31
    -15,83 (-1,70%)
     
  • S&P500

    3.811,15
    -18,19 (-0,48%)
     
  • DOW JONES

    30.932,37
    -469,63 (-1,50%)
     
  • FTSE

    6.483,43
    -168,53 (-2,53%)
     
  • HANG SENG

    29.397,74
    +417,53 (+1,44%)
     
  • NIKKEI

    29.663,50
    +697,49 (+2,41%)
     
  • NASDAQ

    13.068,25
    +157,25 (+1,22%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7612
    +0,0029 (+0,04%)
     

Fundos reforçam apostas contra real pela 5ª semana, série mais longa em quase um ano--CFTC

Jamie McGeever
·1 minuto de leitura
REUTERS/Bruno Domingos

Por Jamie McGeever

BRASÍLIA (Reuters) - Fundos e especuladores que atuam nos mercados futuros dos Estados Unidos aumentaram suas apostas de baixa contra o real pela quinta semana consecutiva, maior sequência do tipo em quase um ano, mostraram dados nesta sexta-feira.

Números divulgados pela Commodity Futures Trading Commission (CFTC) mostraram que os fundos elevaram suas apostas contrárias ao real em 2.917 contratos, para 17.366 contratos, na semana até 9 de fevereiro, a maior posição vendida --que ganha com a queda do preço de um ativo (no caso, o real)-- em dois meses.

Depois de despencar 22,7% em relação ao dólar no ano passado, muitos analistas esperavam que o real tivesse uma forte recuperação no começo deste ano, especialmente num momento em que o Banco Central caminha para sua primeira alta de juros desde 2015 em meio à inflação em alta.

Mas uma segunda onda devastadora de Covid-19, possível contração econômica no primeiro trimestre e alto desemprego têm aumentado a pressão sobre o governo, que agora admite avaliar uma nova rodada de auxílio emergencial.

Isso tem intensificado temores de investidores sobre as perspectivas fiscais e pesado na moeda, anulando viés de alta para o real proveniente de expectativas de que o BC em breve começará a apertar a política monetária.

O presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, disse nesta semana que os altos níveis de volatilidade da moeda e prêmios de risco no Brasil são em grande parte devido às perspectivas fiscais preocupantes.

O real acumula baixa de 3,39% ante o dólar neste ano, entre as dez divisas de pior desempenho em 2021, de acordo com dados da Refinitiv.