Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.035,17
    -2.221,19 (-1,98%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.592,91
    +282,64 (+0,64%)
     
  • PETROLEO CRU

    61,66
    -1,87 (-2,94%)
     
  • OURO

    1.733,00
    -42,40 (-2,39%)
     
  • BTC-USD

    47.701,24
    +1.550,05 (+3,36%)
     
  • CMC Crypto 200

    912,88
    -20,25 (-2,17%)
     
  • S&P500

    3.811,15
    -18,19 (-0,48%)
     
  • DOW JONES

    30.932,37
    -469,64 (-1,50%)
     
  • FTSE

    6.483,43
    -168,53 (-2,53%)
     
  • HANG SENG

    28.980,21
    -1.093,96 (-3,64%)
     
  • NIKKEI

    28.966,01
    -1.202,26 (-3,99%)
     
  • NASDAQ

    12.905,75
    +74,00 (+0,58%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7577
    +0,0188 (+0,28%)
     

Fundo nórdico exclui gigantes do agro por desmatamento no país

ANA CAROLINA AMARAL
·3 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O desmatamento no Brasil levou o escandinavo Danske Bank, que administra € 237 bilhões (R$ 1,53 trilhão), a excluir de dois dos seus fundos a Cargill, a Bunge e a ADM, três gigantes que operam o comércio internacional de produtos agrícolas, com destaque para a soja. "O Danske Invest & Danica mantém restrições de investimento para Cargill, ADM e Bunge relacionadas ao desmatamento no Brasil", disse à Folha o diretor de investimento sustentável do Danske Bank, Erik Eliasson. "Apesar dos compromissos das empresas [com políticas de proteção ambiental], a taxa anual de desmatamento das florestas tropicais da Amazônia continua em um ritmo alarmante", afirmou o diretor do segundo maior gestor de ativo escandinavo. Procuradas, as tradings citaram políticas de monitoramento da cadeia e compromissos como a moratória da soja. "Dados divulgados pela agência espacial brasileira, o Inpe, em novembro de 2020 indicaram que o desmatamento atingiu seu nível mais alto desde 2008; e 2020 constituiu um dos piores anos em mais de uma década em termos de hectares de terra desmatada." A exclusão das três múltis consta em uma lista de restrição de investimentos do fundo publicada em setembro de 2020, quando o Brasil enfrentava nova alta nas queimadas na Amazônia, no Cerrado e no Pantanal. "Existem questões estruturais e políticas no Brasil quando se trata da proteção das florestas tropicais amazônicas", afirmou Eliasson, com ressalvas às políticas ambientais das empresas. "Até que haja uma agenda política mais forte e planos de ação e compromissos concretos para proteger as florestas tropicais, as empresas que compram na região provavelmente estarão expostas e contribuindo para o desmatamento das florestas, independentemente de quão fortes práticas de manejo possam ter. Por sua vez, essas empresas podem ser afetadas por graves riscos de reputação e diminuição da demanda do consumidor." Três iniciativas de monitoramento ambiental de cadeias globais de commodities destacam as relações das três empresas com áreas desmatadas e queimadas no Brasil. Em setembro, a ONG americana Mighty Earth compilou ranking dos principais comerciantes de soja e apontou que Bunge e Cargill são as piores infratoras por altos riscos de desmatamento nas cadeias de abastecimento. "Independentemente dos problemas em todas as cadeias de abastecimento, é claro que a Bunge e a Cargill se destacam do resto em termos de políticas fracas de sustentabilidade da soja, monitoramento, relatórios e divulgação insuficientes, áreas de abastecimento de alto risco e, o mais importante, os grandes volumes de liberação dentro de suas cadeias de abastecimento", diz o relatório da Mighty Earth, que passou a monitorar as cadeias. Em Mato Grosso, o maior produtor de soja do Brasil, Bunge e Cargill são as empresas mais expostas a risco de desmatamento entre os negociadores da commodity que exportam para a China. No caso da exportação para a União Europeia, a ADM também aparece entre as mais expostas. A análise foi publicada pela iniciativa Trase em junho de 2020, a partir de dados de 2018. EMPRESAS NEGAM PROBLEMAS AMBIENTAIS "A Cargill não fornecerá soja de agricultores que desmatam ilegalmente ou de áreas protegidas, e temos a mesma expectativa em relação aos nossos fornecedores", diz a Cargill em nota. "Não fazemos compras em nenhuma área recém-desmatada na Amazônia", afirma a ADM, que também cita uma "política rígida de proibição de desmatamento". A Bunge informou cita ter atingido em 2020 "100% de rastreabilidade de fazendas para compras diretas de soja no Brasil".