Mercado fechará em 6 h 9 min
  • BOVESPA

    109.227,42
    +383,68 (+0,35%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.756,55
    +198,90 (+0,39%)
     
  • PETROLEO CRU

    70,63
    +0,34 (+0,48%)
     
  • OURO

    1.774,40
    +10,60 (+0,60%)
     
  • BTC-USD

    43.289,18
    -542,92 (-1,24%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.085,04
    +21,20 (+1,99%)
     
  • S&P500

    4.391,34
    +33,61 (+0,77%)
     
  • DOW JONES

    34.281,87
    +311,40 (+0,92%)
     
  • FTSE

    6.997,76
    +93,85 (+1,36%)
     
  • HANG SENG

    24.221,54
    +122,40 (+0,51%)
     
  • NIKKEI

    29.839,71
    -660,34 (-2,17%)
     
  • NASDAQ

    15.056,50
    +47,00 (+0,31%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2318
    -0,0129 (-0,21%)
     

Fundo de hedge diz que investir em ADRs chineses não vale a pena

·2 minuto de leitura

(Bloomberg) -- Para um dos maiores fundos de hedge do mundo, as ações chinesas listadas nos Estados Unidos simplesmente não valem mais o risco.

Paul Marshall, cofundador da empresa de investimentos Marshall Wace, com ativos de US$ 59 bilhões, disse que a repressão da China sobre os setores de tecnologia e educação afastou investidores, mesmo que autoridades tenham procurado limitar o impacto negativo. Agora é mais provável que as listagens do país fiquem em grande parte confinadas à China continental, previu o bilionário.

“O efeito dessas várias intervenções, especialmente o momento dos anúncios em torno da listagem da Didi nos Estados Unidos, tem sido o de desencorajar muitos investidores americanos ou internacionais”, disse Marshall em carta a clientes na semana passada. “Poderíamos argumentar que os recibos de depósito americanos de empresas chinesas listados nos EUA agora não são investíveis.”

O governo de Pequim iniciou uma campanha antimonopólio contra as chamadas Big Techs, análises de cibersegurança para listagens estrangeiras e decidiu proibir que provedoras de conteúdo de reforço escolar tenham lucro, medidas que causaram ondas de choque nos mercados financeiros globais no mês passado. Investidores agora estão preocupados com o que está por vir.

Documentos regulatórios mais recentes nos EUA mostram que alguns dos fundos de hedge mais conhecidos do mundo, como a firma de investimentos de George Soros, a D1 Capital Partners e a empresa de investimentos dirigida por Dan Sundheim já estavam reduzindo suas exposições e, pelo menos parcialmente, escaparam das fortes perdas com empresas chinesas.

A Marshall Wace reduziu a exposição a ADRs de empresas chinesas como Tencent Music Entertainment, iQiyi e Baidu no segundo trimestre, de acordo com documentos regulatórios enviados à SEC dos EUA.

Um porta-voz da empresa com sede em Londres não quis comentar.

Para grande parte do setor, apostar em ações chinesas tem sido uma das estratégias mais difíceis deste ano. O índice Nasdaq Golden Dragon China, que acompanha 98 das maiores empresas chinesas listadas na bolsa, acumula baixa de 32%. Pelo menos meia dúzia de fundos de hedge com sede na Ásia registrou perdas de dois dígitos em meio à onda vendedora.

O MW Eureka, principal fundo da Marshall Wace, subiu mais de 1% no mês passado e lucrou com apostas em companhias chinesas. Embora com posições compradas líquidas em ações chinesas, tinha apostas vendidas contra ações listadas nos Estados Unidos e em Hong Kong, de acordo com a carta.

More stories like this are available on bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2021 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos