Mercado fechado

Fundo da Dahlia sobe 30% e aposta em bolsa com juro baixo

Vinícius Andrade e Felipe Marques
·2 minuto de leitura

(Bloomberg) -- Um grupo de ex-executivos do Bank of America no Brasil está por trás de um fundo multimercado que superou quase todos os seus pares durante o último ano.

O fundo Dahlia Total Return subiu cerca de 30% em moeda local ao longo dos últimos 12 meses, mais de cinco vezes o retorno médio dos pares e atrás somente do Truxt Long Bias e do Itau Hedge Plus em uma lista com 174 multimercados monitorados pela Bloomberg. O ganho refletiu uma visão positiva para as ações brasileiras e atraiu investidores, com captação líquida de quase R$ 3 bilhões no mesmo período.

O fundo, gerido pela Dahlia Capital, apostou em nomes e setores que se beneficiam de um cenário de juro baixo no Brasil, disse Sara Delfim, que ajudou a montar a casa em 2018, após uma passagem de nove anos pelo BofA. O Dahlia Total Return também ganhou com exposição ao mercado acionário norte-americano, dólar, metais e NTN-B. Atualmente, cerca de 50% do patrimônio do fundo está em ações brasileiras.

“Nossa carteira expressa a visão de mundo com juro baixo e políticas de estímulos acentuadas”, disse Sara Delfim, em entrevista. Ela cita que a temporada de resultados do terceiro trimestre tem trazido “uma surpresa positiva a cada dia”, com muitas companhias aproveitando a crise para acelerar investimentos.

O desfecho da eleição norte-americana acabou fortalecendo a tese a favor de ativos de risco, enquanto as notícias positivas em relação ao desenvolvimento de uma vacina contra o coronavírus trazem “mais visibilidade”, de acordo com ela.

No mercado local, a gestora de recursos tem preferido três temas principais na bolsa: nomes do setor elétrico, como a Eneva; companhias com um componente de tecnologia, como Totvs e Weg; e “empresas ganhadoras” de seus respectivos setores, como Localiza, Lojas Renner e Natura & Co.

A Dahlia espera que a agenda de reformas no Brasil seja retomada após o país ter elevado as despesas públicas no combate à pandemia.

“As reformas foram atrapalhadas, mas não canceladas”, disse José Rocha, um dos sócios-fundadores da Dahlia, mencionando avanços recente como a lei do saneamento e a autorização por parte do STF da venda de refinarias da Petrobras sem aval do Congresso.

Para Rocha, o maior risco no curto prazo no está em uma potencial tensão social no Brasil, em meio ao nível elevado de desemprego. “Isso gera insatisfação. Quem está desempregado tem pressa”, disse.

A Dahlia Capital foi criada em 2018, tem cerca de R$ 8 bilhões sob gestão e conta com um time de 15 pessoas, com a maior parte do seu time de gestão vindo do BofA.

For more articles like this, please visit us at bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2020 Bloomberg L.P.