Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.183,95
    -355,84 (-0,32%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.377,47
    +695,28 (+1,52%)
     
  • PETROLEO CRU

    61,25
    -0,03 (-0,05%)
     
  • OURO

    1.713,00
    -2,80 (-0,16%)
     
  • BTC-USD

    50.909,25
    +2.429,18 (+5,01%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.018,24
    +30,14 (+3,05%)
     
  • S&P500

    3.819,72
    -50,57 (-1,31%)
     
  • DOW JONES

    31.270,09
    -121,43 (-0,39%)
     
  • FTSE

    6.675,47
    +61,72 (+0,93%)
     
  • HANG SENG

    29.880,42
    +784,56 (+2,70%)
     
  • NIKKEI

    29.213,63
    -345,47 (-1,17%)
     
  • NASDAQ

    12.643,50
    -38,25 (-0,30%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7750
    -0,0037 (-0,05%)
     

Fundecitrus estima safra de laranja de SP e MG em 269 mi caixas, quebra de 30,45%

·2 minuto de leitura
Prateleira de supermercado com suco industrializado

SÃO PAULO (Reuters) - A safra de laranja 2020/21 do cinturão citrícola de São Paulo e Triângulo/Sudoeste Mineiro foi estimada nesta quarta-feira em 269 milhões de caixas de 40,8 kg, praticamente estável ante projeção divulgada em dezembro, mas com um recuo de 6,5% na comparação com a primeira estimativa, de maio de 2020.

Segundo o órgão de pesquisa Fundecitrus, a produção cairá 30,45% ante a safra anterior, a maior quebra anual desde 1988, com efeitos da bienalidade da cultura e condições climáticas adversas, como a seca.

Apesar do dezembro mais chuvoso da última década, disse o Fundecitrus em nota, as plantas ainda sofrem os efeitos da escassez de água observada em 2020.

"Essa quebra de safra sem precedentes na história da citricultura evidencia a severidade dos problemas climáticos nesta temporada. Após dezembro registrar volume pluviométrico 8% acima da média histórica, o cinturão citrícola voltou, em janeiro de 2021, a enfrentar o quadro de escassez de chuvas, que vem predominando desde o início da safra, provocado principalmente pelo fenômeno La Niña", comentou o coordenador da Pesquisa de Estimativa de Safra (PES), Vinícius Trombin.

Ao final de outubro, a Reuters noticiou com base em avaliações de especialistas que o tempo seco e as temperaturas relativamente altas no inverno acentuariam a quebra de produção do Brasil, maior exportador global de suco de laranja. A região de São Paulo e Minas é a principal fornecedora da fruta para a indústria.

Em função das condições climáticas adversas, o peso médio que os frutos devem atingir no ponto de colheita foi reduzido na última revisão da safra, em dezembro, e os frutos colhidos até o momento não indicam necessidade de alterar a projeção, segundo o Fundecitrus.

De maneira geral, 81% da safra de laranja já foi colhida, afirmou o órgão de pesquisa.

Considerando todas as variedades, o tamanho médio é mantido em 261 frutos por caixa, o que significa que cada laranja deve pesar, em média, 156 gramas, peso 8% inferior à média das últimas cinco safras (169 gramas).

(Por Roberto Samora)