Mercado fechará em 51 mins
  • BOVESPA

    121.985,80
    +1.279,89 (+1,06%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.204,70
    +375,39 (+0,77%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,36
    +1,54 (+2,41%)
     
  • OURO

    1.841,40
    +17,40 (+0,95%)
     
  • BTC-USD

    50.371,88
    +1.985,83 (+4,10%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.411,47
    +52,91 (+3,89%)
     
  • S&P500

    4.178,69
    +66,19 (+1,61%)
     
  • DOW JONES

    34.421,72
    +400,27 (+1,18%)
     
  • FTSE

    7.043,61
    +80,28 (+1,15%)
     
  • HANG SENG

    28.027,57
    +308,90 (+1,11%)
     
  • NIKKEI

    28.084,47
    +636,46 (+2,32%)
     
  • NASDAQ

    13.413,00
    +312,75 (+2,39%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3953
    -0,0172 (-0,27%)
     

Fundador do Google entra em seleta lista de pessoas com mais de US$ 100 bilhões

·2 minuto de leitura
Larry Page é cofundador da Alphabet, controladora do Google
Larry Page é cofundador da Alphabet, controladora do Google

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Nesta semana, Larry Page, um dos fundadores do Google, entrou em uma seleta lista de pessoas: a das que possuem mais de US$ 100 bilhões (R$ 575,6 bilhões). Agora, são sete os donos de bens que, somados, dão fortunas com 12 dígitos, segundo o Índice de Bilionários da Bloomberg. Além de Page, figuram na lista Jeff Bezos, fundador da Amazon, Elon Musk, presidente-executivo da SpaceX e da Tesla Motors, Bill Gates, fundados da Microsoft, Mark Zuckerberg, dono do Facebook, o megainvestidor Warren Buffett e Bernard Arnault, da LVMH

Outro fundador do Google, Sergey Brin, chegou a pertencer ao grupo na última segunda-feira (12), mas nesta terça (13), já não figurava mais no ranking. O índice indica que ele acumula hoje uma fortuna de US$ 99,1 bilhão, e que sua última perda foi de US$1,12 bilhão. Não à toa ambos obtiveram a cifra juntos: o feito veio após aumento no preço das ações da Alphabet, empresa de tecnologia dona do Google. 

Seus papéis aumentaram 86% em um ano. Hoje, a receita da companhia é de US$ 182,53 bilhões. O êxito da empresa no último ano vem na esteira da mudança de hábitos dos consumidores, inundados por ferramentas online após a pandemia do coronavírus. Apesar disso, a Alphabet, dona do Google, precisou se readequar à crise econômica de 2020, quando, em julho, registrou a primeira queda de receita de sua história desde a abertura de capital, em 2004. 

O balanço apontava para receita de US$ 38,3 bilhões (R$ 197,6 bilhões) no segundo trimestre de 2020, recuo de 2% em relação ao mesmo período de 2019. Na época, a diretora financeira da Alphabet, Ruth Porat, disse que a receita foi impulsionada por uma "melhoria gradual nos negócios de anúncios" e Google Cloud, serviço de nuvem da empresa. "Continuamos a navegar por um ambiente econômico global difícil", afirmou.