Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.976,70
    -2.854,45 (-2,55%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.668,64
    -310,37 (-0,60%)
     
  • PETROLEO CRU

    76,28
    -1,66 (-2,13%)
     
  • OURO

    1.754,00
    +8,40 (+0,48%)
     
  • BTC-USD

    16.589,19
    +129,07 (+0,78%)
     
  • CMC Crypto 200

    386,97
    +4,32 (+1,13%)
     
  • S&P500

    4.026,12
    -1,14 (-0,03%)
     
  • DOW JONES

    34.347,03
    +152,97 (+0,45%)
     
  • FTSE

    7.486,67
    +20,07 (+0,27%)
     
  • HANG SENG

    17.573,58
    -87,32 (-0,49%)
     
  • NIKKEI

    28.283,03
    -100,06 (-0,35%)
     
  • NASDAQ

    11.782,80
    -80,00 (-0,67%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,6244
    +0,0991 (+1,79%)
     

Corrochano quer "democratizar" mercado de energia em parceria com XP

Parque de energia eólica

Por Letícia Fucuchima

SÃO PAULO (Reuters) -Fundador da geradora renovável Echoenergia e executivo experiente no setor de energia, Edgard Corrochano entrou em sociedade com a XP Inc. para criar uma nova gestora de investimentos em infraestrutura, a Newave Capital, lançada nesta quarta-feira com o objetivo de "democratizar" o mercado de eletricidade.

O primeiro projeto da gestora, focada principalmente no setor elétrico, é a estruturação de uma empresa de geração a partir de fontes renováveis.

Batizada de Newave Energia, a geradora já está operacional e nasce com a proposta de "democratizar" o acesso de pequenas e médias empresas à energia limpa e barata, disse Corrochano, em entrevista à Reuters.

"O que queremos fazer é muito parecido com a desbancarização que a XP fez no mercado financeiro, só que no setor de energia... Vamos fazer o 'last mile', da geração até vender energia na ponta, tirando os intermediários".

A XP é sócia minoritária na iniciativa, sendo que esse é o primeiro investimento do grupo em uma gestora independente com foco em energia. A participação de cada sócio na gestora e valores de investimentos já realizados não foram informados.

Segundo Corrochano, a companhia vai aproveitar a capilaridade da XP para chegar às pequenas e médias empresas, um segmento que vai se beneficiar nos próximos anos com a abertura do mercado livre de energia, no qual consumidores podem contratar sua energia direto de um fornecedor (comercializador ou gerador).

"A XP tem 14 mil agentes autônomos, eventualmente podemos trabalhar com eles para que eles vendam essa energia para nós", explicou, destacando a importância de que isso seja feito em grande escala.

Ele destaca que a Newave já está com comercializadoras de energia ativas no mercado, buscando fechar contratos com um perfil diversificado de clientes.

Embora a principal aposta seja o atendimento ao consumidor de pequeno porte, chamado de "varejista" no setor elétrico, é importante que a geradora tenha também contratos com grandes empresas no portfólio, a fim de garantir a financiabilidade de seus empreendimentos, diz Corrochano.

A nova elétrica tem uma carteira de 2,5 gigawatts (GW) de projetos eólicos e solares, e a expectativa é que possa iniciar as obras de suas primeiras usinas na primeira metade do ano que vem.

Corrochano é fundador da Echoenergia, empresa que era uma das investidas da gestora britânica Actis no Brasil e foi vendida no ano passado à Equatorial Energia. Entre 2009 e 2017, foi CEO da Gamesa na América do Sul e membro do comitê executivo global da companhia, que posteriormente se fundiu à Siemens.

Já para a XP, o ingresso na Newave Capital, desde seu início, faz parte da estratégia do grupo de ter uma presença relevante no setor de infraestrutura brasileiro, disse Leon Goldberg, sócio da XP Inc..

"Temos certeza que é apenas o início de uma parceria de muito sucesso, que vai democratizar ainda mais o acesso de todos os investidores nesse tipo de produto", afirmou Goldberg, em nota.

Também fazem parte do projeto da Newave Capital Cláudio Ferreira, ex-diretor de novos negócios da Echoenergia, e Raphael Petit, da área de investimentos, que possui passagem pelo Itaú BBA, Estáter, Equatorial e Echoenergia.

No futuro, a gestora avalia lançar vários produtos para o setor elétrico, como fundos de debêntures e voltados para os próximos leilões de transmissão de energia.

(Por Letícia Fucuchima; edição de Roberto Samora)