Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.523,47
    -1.617,17 (-1,47%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    54.049,05
    +174,14 (+0,32%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,23
    -2,65 (-3,49%)
     
  • OURO

    1.877,70
    -53,10 (-2,75%)
     
  • BTC-USD

    23.390,30
    +61,56 (+0,26%)
     
  • CMC Crypto 200

    535,42
    -1,43 (-0,27%)
     
  • S&P500

    4.136,48
    -43,28 (-1,04%)
     
  • DOW JONES

    33.926,01
    -127,93 (-0,38%)
     
  • FTSE

    7.901,80
    +81,64 (+1,04%)
     
  • HANG SENG

    21.660,47
    -297,89 (-1,36%)
     
  • NIKKEI

    27.509,46
    +107,41 (+0,39%)
     
  • NASDAQ

    12.616,50
    -230,25 (-1,79%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5385
    +0,0488 (+0,89%)
     

Funcionários acusam Apple de impedir formação de sindicatos

No processo, trabalhadores da loja da Apple em NY alegam que a marca da maçã está proibindo a colocação de folhetos sindicais na mesa da sala de descanso
No processo, trabalhadores da loja da Apple em NY alegam que a marca da maçã está proibindo a colocação de folhetos sindicais na mesa da sala de descanso (REUTERS/Andrew Kelly)
  • Apple estaria discriminando funcionários que querem se sindicalizar;

  • Trabalhadores também citaram no processo que a Apple exigia a participação em eventos e discursos anti-sindicais;

  • Haverá uma audiência sobre o assunto em 13 de dezembro, a menos que as partes cheguem a um acordo.

O Conselho Nacional de Relações Trabalhistas dos Estados Unidos emitiu uma queixa contra a Apple Inc. após funcionários de uma de suas lojas físicas, a World Trade Center Store, em Nova York, acusarem a empresa de discriminação.

No processo, trabalhadores alegam que a marca da maçã está proibindo a colocação de folhetos sindicais na mesa da sala de descanso e que estaria também interrogando funcionários sobre seu ativismo no local de trabalho. Segundo eles, o objetivo seria impedir os esforços de uma iminente organização sindical.

De acordo com a Bloomberg, além dos interrogatórios, funcionários citaram no processo, protocolado em maio, que a Apple exigia a participação em eventos e discursos anti-sindicais.

Em depoimento ao The New York Times, Sara Steffens, secretária-tesoureira do Communications Workers of America, sindicato americano da área de telecomunicação, avalia que a Apple deve ser responsabilizada.

“A Apple tem uma escolha. Ela quer ser conhecida por intimidar seus trabalhadores e criar uma cultura de medo, ou quer viver de acordo com seus valores declarados e acolher a verdadeira colaboração com todos os seus funcionários?”

O documento foi redigido pela National Labor Relations Board (NLRB), uma organização de proteção aos direitos de funcionários do setor privado americano. Um juiz da NLRB realizará uma audiência sobre o assunto em 13 de dezembro, a menos que as partes cheguem a um acordo.

Clima de intimidação

Em agosto, um juiz federal da Califórnia assinou o acordo de US$ 30,5 milhões da Apple em um processo de quase uma década alegando que a empresa enganou 15.000 trabalhadores do varejo ao não pagá-los pelo tempo gasto em verificações de segurança após seus turnos.

O juiz distrital dos EUA William Alsup em San Francisco aprovou o acordo na ação coletiva de 2013. A Suprema Corte da Califórnia em 2020 usou o caso para decidir que a lei estadual exige que os funcionários sejam pagos quando passam por verificações de segurança obrigatórias.

Walmart e Amazon também estão entre os principais empregadores dos EUA a enfrentar processos semelhantes. No ano passado, a Amazon e uma agência de recursos humanos concordaram em pagar US$ 8,7 milhões a 42.000 trabalhadores de armazém para resolver um desses casos.