Mercado abrirá em 3 h 10 min
  • BOVESPA

    111.923,93
    +997,93 (+0,90%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.234,37
    -223,23 (-0,43%)
     
  • PETROLEO CRU

    80,85
    +0,87 (+1,09%)
     
  • OURO

    1.811,20
    +1,60 (+0,09%)
     
  • BTC-USD

    17.366,45
    +347,64 (+2,04%)
     
  • CMC Crypto 200

    412,17
    +10,75 (+2,68%)
     
  • S&P500

    4.071,70
    -4,87 (-0,12%)
     
  • DOW JONES

    34.429,88
    +34,88 (+0,10%)
     
  • FTSE

    7.557,80
    +1,57 (+0,02%)
     
  • HANG SENG

    19.518,29
    +842,94 (+4,51%)
     
  • NIKKEI

    27.820,40
    +42,50 (+0,15%)
     
  • NASDAQ

    11.975,25
    -35,00 (-0,29%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4929
    -0,0011 (-0,02%)
     

Funcionário demitido por crise de ansiedade será indenizado em R$ 2 milhões

Postura da empresa diante da crise de ansiedade do funcionário rendeu US$ 150 mil em indenização pela perda de renda e benefícios, além de US$ 300 mil pelo constrangimento provocad
Postura da empresa diante da crise de ansiedade do funcionário rendeu US$ 150 mil em indenização pela perda de renda e benefícios, além de US$ 300 mil pelo constrangimento provocado (Getty Image)
  • Kevin Berling teve uma crise de ataque de pânico após uma festa surpresa

  • A empresa demitiu o colaborador alegando que ele tinha um "comportamento sombrio"

  • Júri condenou a companhia a pagar indenizações durante disputa judicial

Não é todo mundo que lida bem com festas surpresas. Um funcionário de um laboratório médico teve um ataque de pânico no local de trabalho após ser surpreendido com uma comemoração de aniversário e foi demitido pela condição clínica.

Como forma de indenização pelo estresse emocional, a empresa Diagnostics em Covington foi condenada a pagar US$ 450 mil (o equivalente a mais de R$ 2 milhões) a Kevin Berling como forma de reparação pelo dano causado.

Na ocasião. o funcionário pediu ao gerente que não realizasse uma festa no escritório pois sofria de ansiedade. De acordo com o advogado de Berling, Tony Bucher, a festa foi planejada pelos empregados enquanto o gerente estava fora. Imediatamente, a situação ficou complicada.

O rapaz passou mal após saber que a comemoração foi marcada para o horário de almoço. A celebração incluía uma faixa decorativa e parabenização vinda dos funcionários.

Para evitar que a condição clínica se agravasse, Berling optou por almoçar sozinho dentro do carro. Devido ao isolamento, ele foi confrontado pelos superiores e acusado de "comportamento sombrio". Três dias depois foi demitido por e-mail.

Durante o processo, a empresa afirmou que o funcionário tinha sido dispensado por ter sido violento na reunião. No julgamento, o júri entendeu que o homem havia experimentado uma medida adversa tomada por seu empregador em razão da sua deficiência.

A companhia foi condenada a pagar US$ 150 mil em indenização pela perda de renda e benefícios, além de US$ 300 mil pelo constrangimento causado.