Mercado abrirá em 55 mins
  • BOVESPA

    106.296,18
    -1.438,82 (-1,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.889,66
    -130,44 (-0,25%)
     
  • PETROLEO CRU

    84,46
    +0,70 (+0,84%)
     
  • OURO

    1.801,00
    +4,70 (+0,26%)
     
  • BTC-USD

    62.807,59
    +1.809,35 (+2,97%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.453,34
    -49,70 (-3,31%)
     
  • S&P500

    4.544,90
    -4,88 (-0,11%)
     
  • DOW JONES

    35.677,02
    +73,92 (+0,21%)
     
  • FTSE

    7.238,32
    +33,77 (+0,47%)
     
  • HANG SENG

    26.132,03
    +5,10 (+0,02%)
     
  • NIKKEI

    28.600,41
    -204,44 (-0,71%)
     
  • NASDAQ

    15.382,25
    +41,25 (+0,27%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5664
    -0,0144 (-0,22%)
     

Funcionário chamado de ‘fracassado’ e ‘viadinho’ recebe R$ 3 mil de indenização

·1 minuto de leitura
Foto de um advogado sentado atrás do martelo de um juiz
Juiz definiu a conduta da empresa como "inadequada e censurável”

(Getty Images)

  • Ex-funcionário receberá R$ 3 mil por danos morais;

  • Ele era chamado pelos superiores de 'fracassado' e 'viadinho';

  • Empresa também destacava os funcionários com pior desempenho em um ranking público.

Uma administradora de consórcios terá que pagar indenização de R$ 3 mil por danos morais a um ex-funcionário por tratá-lo com apelidos pejorativos como ‘fracassado’, ‘viadinho’ e ‘derrotado’.

A empresa também foi condenada por criar um ranking com os colaboradores que obtiveram pior desempenho e exibi-lo publicamente.

Leia também:

Apesar dos quadros de metas serem comuns nas companhias, o ato de elencar os vendedores menos produtivos foi considerado abusivo. Conforme noticiado pelo G1, o desembargador Oswaldo Tadeu Barbosa Guedes esclareceu que a prática “estimula a competitividade exacerbada, em detrimento da saúde psíquica, honra e imagem dos trabalhadores”.

As informações do caso foram divulgadas pelo Tribunal Regional do Trabalho de Minas Gerais (TRT-MG). As testemunhas ouvidas não deixaram claro se houve intenção de discriminar o ex-funcionário por sua orientação sexual, mas o juiz manteve sua posição e julgou a conduta da empresa “inadequada e censurável”.

A sentença já havia sido dada pela 14ª Vara do Trabalho de Belo Horizonte e foi mantida por unanimidade, em segunda instância, pela Quinta Turma do TRT.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos