Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.439,37
    -2.354,91 (-2,07%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.307,71
    -884,62 (-1,69%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,96
    -0,65 (-0,90%)
     
  • OURO

    1.753,90
    -2,80 (-0,16%)
     
  • BTC-USD

    48.422,35
    +1.127,55 (+2,38%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.193,48
    -32,05 (-2,62%)
     
  • S&P500

    4.432,99
    -40,76 (-0,91%)
     
  • DOW JONES

    34.584,88
    -166,44 (-0,48%)
     
  • FTSE

    6.963,64
    -63,84 (-0,91%)
     
  • HANG SENG

    24.920,76
    +252,91 (+1,03%)
     
  • NIKKEI

    30.500,05
    +176,71 (+0,58%)
     
  • NASDAQ

    15.282,75
    -226,75 (-1,46%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1994
    +0,0146 (+0,24%)
     

Funcionária que pegou R$ 1,50 do caixa da empresa tem demissão anulada

·1 minuto de leitura
Mulher carregando caixa com pertences no trabalho
TRT entendeu que medida foi severa demais e que traria danos desiguais às partes
(Getty Creative)
  • Operadora de caixa foi demitida por justa causa ao pegar R$ 1,50 emprestado do caixa da empresa

  • Ex-funcionária levou caso para Justiça e obteve anulação da medida

  • Empresa recorreu, mas TRT manteve a decisão

O Tribunal Regional do Trabalho (TRT) atendeu uma funcionária de Caldas Novas (GO) que pediu a anulação de sua demissão por justa causa. Ela havia pego R$ 1,50 do caixa que operava para comprar um lanche na própria empresa.

Segundo a ex-funcionária, o valor seria devolvido no final do expediente. Seu advogado, Jefferson Takeda, confirmou o ressarcimento e apontou que a empresa sequer provou nos autos que houve essa baixa no caixa. No entanto, o empório que assinou a demissão alegou que a operadora não tinha permissão para retirar a quantia e que teria cometido furto.

Leia também:

O magistrado que analisou a situação entendeu que a decisão da empresa foi exagerada se comparada aos danos financeiros que a ex-funcionária sofreria, já que perderia o direito ao saque do FGTS e pagaria multa de 40% sobre o valor acumulado. Outros direitos trabalhistas também seriam perdidos devido à justa causa.

"Além disso, observe-se que durante todo o período contratual, não há notícia da aplicação de qualquer medida disciplinar dirigida à autora [operadora de caixa]; a hipotética falta grave cometida consistiria, portanto, em fato isolado", escreveu o juiz Juliano Braga na sentença, quatro meses atrás.

O empório recorreu ao juízo de 2º grau, mas a sentença foi mantida pelo colegiado de desembargadores, que também afirmou que a empresa poderia ter aplicado medidas menos severas, como advertência verbal e escrita no lugar da demissão.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos