Mercado abrirá em 3 h 50 min
  • BOVESPA

    108.941,68
    -160,32 (-0,15%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.599,38
    -909,02 (-1,73%)
     
  • PETROLEO CRU

    85,59
    +0,45 (+0,53%)
     
  • OURO

    1.837,90
    +6,10 (+0,33%)
     
  • BTC-USD

    34.970,54
    -598,06 (-1,68%)
     
  • CMC Crypto 200

    804,42
    +561,74 (+231,47%)
     
  • S&P500

    4.397,94
    -84,79 (-1,89%)
     
  • DOW JONES

    34.265,37
    -450,03 (-1,30%)
     
  • FTSE

    7.494,13
    0,00 (0,00%)
     
  • HANG SENG

    24.646,25
    -319,30 (-1,28%)
     
  • NIKKEI

    27.588,37
    +66,11 (+0,24%)
     
  • NASDAQ

    14.521,00
    +94,50 (+0,66%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1730
    -0,0170 (-0,27%)
     

Funcionária processa TikTok por traumas causados por vídeos violentos

·1 min de leitura
Foto: Getty Images.
Foto: Getty Images.
  • Candie Frazier, moderadora de conteúdo do TikTok, está processando a plataforma por traumas advindos da sua função;

  • A funcionária afirma que desenvolveu diversos traumas por assistir a vídeos de violência, tiroteios em escolas, quedas fatais e inclusive canibalismo;

  • A denúncia da moderadora também demonstra rotinas extrapoladas de trabalho e ausência de assistência psicológica.

No TikTok há muitos vídeos violentos camuflados de brincadeiras aparentemente inofensivas. Como efeito, fortes traumas podem ser gerados aos que assistem às imagens.

Esse foi o motivo pelo qual Candie Frazier, moderadora de conteúdo da plataforma, está entrando com processo contra o TikTok e sua dona, a companhia ByteDance.

A funcionária afirma que, por causa da sua função, vem tendo problemas para dormir e que, ao finalmente conseguir, tem pesadelos terríveis.

Leia também:

Frazier diz que desenvolveu diversos traumas pelos vídeos ao quais tem de assistir, ou seja, imagens de violência, tiroteios em escolas, quedas fatais e inclusive canibalismo.

A denúncia da funcionária também demonstra que os moderadores trabalham em turnos de 12 horas, tendo uma hora de almoço e dois intervalos de 15 minutos.

Segundo a denunciante, por causa do grande volume de conteúdo produzido, os funcionários não têm mais do que 25 segundos por vídeo, tendo também que ver cerca de três a dez vídeos ao mesmo tempo.

Uma companhia que oferece o serviço de moderação em grandes redes sociais chegou a dizer que o trabalho poderia causar transtornos de estresse pós-traumático, por causa do tempo em que se passa analisando imagens fortes.

Com a denúncia de Frazier, a reputação do TikTok fica abalada, pois a plataforma, junto ao Facebook e YouTube, criou diversas diretrizes para ajudar na função dos moderadores de conteúdo, como a jornada de trabalho de quatro horas e assistência psicológica.

Como efeito da ação, a moderadora espera que o TikTok pague indenização por danos psicológicos e dê um fundo médico para os empregados que trabalham vendo os vídeos.

Com informações do Olhar Digital.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos