Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.800,79
    -3.874,54 (-3,08%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.868,32
    -766,28 (-1,48%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,81
    +0,19 (+0,26%)
     
  • OURO

    1.812,50
    -18,70 (-1,02%)
     
  • BTC-USD

    41.729,62
    -191,42 (-0,46%)
     
  • CMC Crypto 200

    955,03
    +5,13 (+0,54%)
     
  • S&P500

    4.395,26
    -23,89 (-0,54%)
     
  • DOW JONES

    34.935,47
    -149,06 (-0,42%)
     
  • FTSE

    7.032,30
    -46,12 (-0,65%)
     
  • HANG SENG

    25.961,03
    -354,29 (-1,35%)
     
  • NIKKEI

    27.283,59
    -498,83 (-1,80%)
     
  • NASDAQ

    14.966,50
    -71,25 (-0,47%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1880
    +0,1475 (+2,44%)
     

Funcionária é demitida por WhatsApp e Justiça decide por indenização

·2 minuto de leitura
Woman hands using smartphone for chat
"Bom dia. Você está demitida. Devolva as chaves e o cartão da​ minha casa", dizia o patrão
  • Funcionária demitida pelo WhatsApp recorreu à Justiça e recebeu indenização

  • Para juíza, a demissão "denota, no mínimo, falta de respeito à dignidade humana"

  • Caso aconteceu no interior de São Paulo

Uma empregada doméstica que acordou e se deparou com uma notificação do patrão no celular, em que ele a demitia por meio de um aplicativo de troca de mensagens, recorreu à Justiça e a decisão foi pelo pagamento de indenização por danos morais. As informações são da Folha de S.Paulo.

Leia também:

"Bom dia. Você está demitida. Devolva as chaves e o cartão da​ minha casa. Receberá contato em breve para assinar documentos", escreveu o patrão em 2016.

Análise da Justiça

A fala do empregador de Campinas, no interior de São Paulo, foi analisada em 2018 pelo TRT (Tribunal Regional de Trabalho), que decidiu pelo pagamento de uma indenização de três salários mínimos em 2018, cerca de R$ 2,4 mil à época. Em 2019, o chefe recorreu, depois de ter acusado a ex-funcionária de falsificar assinaturas nos papéis da rescisão de contrato, mas a decisão continuou a mesma.

Para a juíza Lenita Corbanezi, "a sumária dispensa via WhatsApp" pelo homem "denota, no mínimo, falta de respeito à dignidade humana, não se justificando nem mesmo em nome dos avanços tecnológicos e de meios de comunicação virtuais".

Short bubble message, social screen empty chat window dialog on dark background .
Demissões respeitosas por aplicativos de troca de mensagens têm sido aceitas na pandemia, segundo especialistas

O caso chegou ao TST (Tribunal Superior do Trabalho) a decisão pelo pagamento de indenização foi mantida. Para o Tribunal, no momento da demissão, houve falta de consideração, educação e cordialidade.

Demissões na pandemia

Em tempos de pandemia de covid-19, especialistas afirmam que demissões por aplicativos de troca de mensagens têm sido aceitas, contanto que haja respeito tanto do empregador como do funcionário. E, quando isso não existe, o caso pode ser levado à Justiça.

Segundo advogados, caso a demissão cara a cara não seja possível, o recomendado é que isso seja feito por chamada de vídeo ou de áudio, com gravação do conteúdo. 

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos