Mercado fechado
  • BOVESPA

    115.202,23
    +2.512,23 (+2,23%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.342,54
    +338,34 (+0,74%)
     
  • PETROLEO CRU

    66,28
    +0,19 (+0,29%)
     
  • OURO

    1.698,20
    -0,30 (-0,02%)
     
  • BTC-USD

    50.078,69
    +1.601,88 (+3,30%)
     
  • CMC Crypto 200

    982,93
    +39,75 (+4,21%)
     
  • S&P500

    3.841,94
    +73,47 (+1,95%)
     
  • DOW JONES

    31.496,30
    +572,20 (+1,85%)
     
  • FTSE

    6.630,52
    -20,36 (-0,31%)
     
  • HANG SENG

    29.098,29
    -138,51 (-0,47%)
     
  • NIKKEI

    28.864,32
    -65,78 (-0,23%)
     
  • NASDAQ

    12.652,50
    -11,25 (-0,09%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7780
    -0,0079 (-0,12%)
     

Funcionários do Google formarão aliança sindical global

·1 minuto de leitura
Funcionários do Google formarão aliança sindical global

(Reuters) - Funcionários do Google em todo o mundo estão formando uma aliança sindical, semanas depois que os trabalhadores da gigante de mecanismo de busca e outras unidades da controladora Alphabet formaram um sindicato para escritórios nos Estados Unidos e Canadá.

A UNI Global Union, que representa cerca de 20 milhões de trabalhadores globalmente, disse nesta segunda-feira que ajudou a formar a Alpha Global, a aliança sindical do Google que inclui vários países como Estados Unidos, Alemanha, Suíça, Suécia e Reino Unido. ( https://bit.ly/2Y9DTMb )

A Alpha Global lutará pelos direitos dos funcionários em tempo integral da Alphabet, bem como dos trabalhadores temporários, fornecedores e contratados, disse a UNI Global.

"Os problemas da Alphabet ... não se limitam a nenhum país e devem ser enfrentados em nível global", disse a secretária geral da UNI, Christy Hoffman.

A Alphabet não respondeu imediatamente a um pedido de comentário.

Depois de anos de protestos contra as condições de trabalho e práticas comerciais, 200 funcionários do Google formaram o Alphabet Workers Union, um chamado "sindicato minoritário", no início de janeiro.

De acordo com a legislação trabalhista dos EUA, a Alphabet pode ignorar as exigências do sindicato até que ele consiga o apoio da maioria dos funcionários.

(Reportagem de Subrat Patnaik em Bengaluru)