Mercado abrirá em 24 mins

Funcionários da Gol aprovam programas de demissão, licença e corte de salários

EDUARDO CUCOLO
*ARQUIVO* SÃO PAULO, SP, 22.04.2013: Aeronaves da Gol no aeroporto de Congonhas. (Foto: Joel Silva/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Funcionários da companhia aérea Gol aprovaram nesta quinta-feira (4) proposta de acordo coletivo que inclui a possibilidade de adesão a programas voluntários de licença não remunerada, demissão (PDV), aposentadoria ou "part-time" (com redução 50% de jornada e salário).

Para quem não fizer a adesão voluntária haverá dois programas de redução compulsória de jornada e salário, que vão vigorar até 2021.

As propostas apresentadas pela companhia foram divulgadas pelo SNA (Sindicato Nacional dos Aeronautas).

"Ressaltamos ainda que a contrapartida dos acordos é a garantia de emprego, ficando vedada qualquer demissão sem justa causa durante o período de vigência", diz o SNA.

De acordo com a empresa aérea Gol, a medida, que pode se tornar uma referência para outras empresas do setor, abrange 926 comandantes, 964 copilotos e 3.262 comissários de bordo da Gol.

Segundo os documentos, os programas de demissão voluntária e aposentadoria estarão disponíveis para adesão até 15 de junho. A licença não remunerada e o "part-time" serão de três meses, podendo ser iniciados a partir de julho e renovados pelo mesmo período de tempo.

Os programas compulsórios se aplicam a todos os funcionários que não tiverem aderido aos programas voluntários.

As listas dos elegíveis aos programas compulsórios serão finalizadas após o término do prazo de adesão aos programas voluntários e publicadas até o dia 30 de junho, de acordo com o sindicato.

"Agradecemos aos nossos Colaboradores que participaram dessa votação e por estarem junto com a Companhia neste momento tão delicado e também ao Sindicato Nacional dos Aeronautas, que se mostrou totalmente empenhado na busca das melhores soluções", afirmou Celso Ferrer, vice-presidente de Operações da Gol em nota.

O atual cenário de câmbio elevado e demanda baixa impactou negativamente as três grandes do setor no Brasil.

O grupo Latam, que pediu recuperação judicial nos Estados Unidos no fim de maio, é o que tem maior dependência de rotas internacionais, que tiveram maior retração.

As empresas devem receber ajuda do BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social), que previu R$ 2 bilhões por companhia, considerados insuficientes para evitar a quebra das empresas.