Mercado fechará em 5 h 23 min
  • BOVESPA

    113.912,51
    +204,75 (+0,18%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.462,93
    -271,11 (-0,56%)
     
  • PETROLEO CRU

    89,99
    +1,88 (+2,13%)
     
  • OURO

    1.777,70
    +1,00 (+0,06%)
     
  • BTC-USD

    23.401,24
    -39,54 (-0,17%)
     
  • CMC Crypto 200

    557,43
    -0,30 (-0,05%)
     
  • S&P500

    4.268,92
    -5,12 (-0,12%)
     
  • DOW JONES

    33.887,55
    -92,77 (-0,27%)
     
  • FTSE

    7.531,62
    +15,87 (+0,21%)
     
  • HANG SENG

    19.763,91
    -158,54 (-0,80%)
     
  • NIKKEI

    28.942,14
    -280,63 (-0,96%)
     
  • NASDAQ

    13.479,00
    -14,25 (-0,11%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2562
    -0,0030 (-0,06%)
     

Funcionário que reclamar da empresa nas redes sociais pode se dar mal?

Escrito em coautoria com Camila Felicissimo Soares

A Justiça do Trabalho é famosa por certo protecionismo aos trabalhadores, mas há casos em que essa fama cai por terra diante da ponderação entre a proteção à honra e o limite imposto ao direito constitucional que assegura liberdade de expressão em sua amplitude, inclusive nas redes sociais e em outros canais de comunicação.

Neste artigo comentaremos três casos nos quais a Justiça de Trabalho considerou que houve exagero por parte dos então colaboradores ao criticar suas respectivas empregadoras.

O primeiro deles diz respeito a um ex-funcionário que fez comentários negativos no Linkedin sobre a empresa, sua ex-empregadora, a qual decidiu ajuizar ação contra ele.

O juiz sopesou, de um lado, o limite da liberdade de expressão do ex-empregado e, de outro, o impacto na imagem e reputação da empresa:

“Irrelevante a tentativa laborista, de comprovar que os comentários que divulgou guardavam conexão com a realidade fática do contrato de trabalho, que manteve com a parte reclamante, por meio testemunhal, ou ainda a invocada insignificância do potencial ofensivo dos comentários publicados, pela quantidade de pessoas que os acessariam, pois a liberdade de expressão está limitada, justamente, à capacidade do ato ocasionar prejuízos, em qualquer esfera, ao ente jurídico criticado.

Por tudo isso, concluo que restou configurado o abuso de direito, pelo requerido, ao optar pela publicação de comentários negativos à conduta patronal da requerente, em canal de divulgação em redes sociais, independente de sua amplitude e eventual expressão da realidade, que envolvia o liame jurídico havido”

Ainda no entendimento do magistrado, o ex-funcionário somente poderia desabafar na seara processual. A propagação das críticas na rede social, as quais exacerbaram os limites da liberdade de expressão, tinham potencial suficiente para dificultar a contratação de novos empregados e disseminar a imagem nefasta da empregadora com os atuais subordinados.

Diante disso, o ex-funcionário foi condenado a indenizar a empresa por danos morais no valor de R$ 6.600,00. O processo nº 0011504-30.2020.5.15.0011 está em fase recursal e tramita na Vara do Trabalho de Barretos (SP).

E reclamar em grupo privado?

No segundo caso, um funcionário, em um grupo privado (e não em rede social) de pessoas estranhas à instituição de ensino empregadora, declarou que a faculdade contratava professores sem formação para ministrar as aulas, além de algumas ofensas. Entre elas, que a instituição era um lixo.

A desembargadora Simone Maria Nunes, da 6ª Turma do Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região – RS fundamentou:

“ainda que se admita o direito de liberdade de expressão de qualquer pessoa, seja no mundo real ou pela internet, a desqualificação do trabalho prestado pela empresa viola a boa-fé objetiva que se espera de ambas as partes no desenrolar de um contrato de trato sucessivo”.

A Turma julgadora entendeu que o funcionário extrapolou o razoável e prejudicou a imagem da empresa, pelo que foi considerada válida a demissão por justa causa em razão de falta grave, com base na alínea “k” do artigo 482 da CLT, a qual dispõe:

Art. 482 - Constituem justa causa para rescisão do contrato de trabalho pelo empregador: (...)

k) ato lesivo da honra ou da boa fama ou ofensas físicas praticadas contra o empregador e superiores hierárquicos, salvo em caso de legítima defesa, própria ou de outrem;

O processo está em fase recursal perante o Tribunal Superior do Trabalho.

Notícia enganosa no Facebook

Um terceiro caso, similar ao anterior, foi julgado pelo Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região-SP. No caso, também se confirmou ser correta a justa causa para demissão de um funcionário que publicou no Facebook notícia ofensiva de que foram localizados produtos vencidos pela Vigilância Sanitária no estabelecimento da sua empregadora — um supermercado. Porém, na realidade, os produtos já tinham sido previamente separados para descarte e o mal-entendido foi resolvido.

A desembargadora rebateu as alegações do trabalhador sustentando que “o comentário propalado por meio da rede social, indubitavelmente, macula a imagem da empresa e a prejudica perante seus clientes. De tal modo, impossível acolher suas alegações em nome da liberdade de expressão, eis que esta não é absoluta, pois tem limites na ofensa ao próximo”.

Como se vê, ainda que a liberdade de expressão seja um direito garantido a todos os cidadãos, o bom senso é primordial no momento de declarar opiniões em canais de comunicação, privados ou públicos, que possam eventualmente prejudicar a imagem e a reputação da empresa em que se trabalha ou se trabalhava.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos