Mercado fechado
  • BOVESPA

    120.061,99
    -871,79 (-0,72%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.528,97
    +456,35 (+0,95%)
     
  • PETROLEO CRU

    61,78
    -0,89 (-1,42%)
     
  • OURO

    1.782,90
    +4,50 (+0,25%)
     
  • BTC-USD

    54.687,85
    -1.132,48 (-2,03%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.243,84
    +9,42 (+0,76%)
     
  • S&P500

    4.134,94
    -28,32 (-0,68%)
     
  • DOW JONES

    33.821,30
    -256,33 (-0,75%)
     
  • FTSE

    6.890,45
    +30,58 (+0,45%)
     
  • HANG SENG

    28.621,92
    -513,81 (-1,76%)
     
  • NIKKEI

    28.508,55
    -591,83 (-2,03%)
     
  • NASDAQ

    13.773,00
    -21,25 (-0,15%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6705
    -0,0320 (-0,48%)
     

Funchal destaca agenda de produtividade para pós-pandemia e volta a falar em vacinação

José de Castro
·1 minuto de leitura
Prédio do Ministério da Economia

Por José de Castro

SÃO PAULO (Reuters) - O secretário do Tesouro Nacional, Bruno Funchal, reiterou nesta terça-feira que a vacinação em massa é o melhor instrumento de política fiscal neste momento e frisou a importância de avanços numa agenda de produtividade visando o momento pós-coronavírus.

Em evento promovido pelo Correio Braziliense, Funchal citou um Congresso engajado com reformas, após a aprovação recente da PEC Emergencial, do novo marco do saneamento e da nova lei de falências, mas destacou necessidade de avanços nas reformas administrativa e tributária.

"Não tenho dúvida de que, avançando nessas duas pautas --reformas administrativa e tributária-, teremos avanços importantes para produtividade da nossa economia. Isso acaba tendo reflexo na atração de investimentos, na taxa de juros e inclusive na trajetória da dívida", afirmou o secretário.

Funchal voltou a citar que a PEC Emergencial foi um acerto do Executivo e do Congresso ao prover auxílio à população vulnerável à pandemia e, ao mesmo tempo, criar um arcabouço fiscal necessário para ancoragem das expectativas para a trajetória das contas públicas.

"E devemos continuar com a melhoria dos marcos regulatórios, reformas microeconômicas, para que você tenha um ambiente de negócios com regras claras. E avançar com aquela (reforma) com talvez o maior impacto sobre segurança jurídica e redução de burocracia, que é a reforma tributária."