Mercado fechado
  • BOVESPA

    129.441,03
    -634,97 (-0,49%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.286,46
    +400,16 (+0,79%)
     
  • PETROLEO CRU

    70,96
    +0,05 (+0,07%)
     
  • OURO

    1.878,20
    -1,40 (-0,07%)
     
  • BTC-USD

    38.874,00
    +3.228,44 (+9,06%)
     
  • CMC Crypto 200

    924,19
    -17,62 (-1,87%)
     
  • S&P500

    4.247,44
    +8,26 (+0,19%)
     
  • DOW JONES

    34.479,60
    +13,40 (+0,04%)
     
  • FTSE

    7.134,06
    +45,88 (+0,65%)
     
  • HANG SENG

    28.842,13
    +103,23 (+0,36%)
     
  • NIKKEI

    28.948,73
    -9,87 (-0,03%)
     
  • NASDAQ

    14.020,00
    +25,75 (+0,18%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1933
    +0,0398 (+0,65%)
     

Fuchsia OS estreia oficialmente em um dispositivo do Google

·2 minuto de leitura

O Google finalmente liberou para o público o Fuchsia OS, o sistema operacional que pode substituir o Android daqui a alguns anos. Entretanto, para surpresa de todos, a primeira aparição da plataforma não foi em um celular, mas sim na primeira geração do Nest Hub, a tela inteligente lançada em 2018 que compõe o ecossistema de dispositivos com Google Assistente.

A gigante contou ao site 9to5Google que uma atualização será distribuída ao longo dos próximos meses entre todos os dispositivos compatíveis, mas nenhum deles perderá qualquer função — e é provável que os usuários nem mesmo notem a diferença. Graças ao Flutter, um kit de desenvolvimento de interface de usuário de código aberto do Google, o visual não deve mudar em nada, embora novidades possam existir num canto ou outro.

A segunda geração do Nest Hub ficou de fora da atualização (Imagem: Divulgação/Google)
A segunda geração do Nest Hub ficou de fora da atualização (Imagem: Divulgação/Google)

A maior das diferenças, portanto, estará na hora de conferir qual o sistema operacional rege o aparelho: antes, o Cast OS e, após a atualização, o Fuchsia. Substituir um sistema operacional não é uma tarefa simples, portanto a compilação deve levar algum tempo para ser baixada e instalada.

Qual seria a estratégia?

O Fuchsia foi inicialmente pensado para ser uma atualização de interface robusta, entretanto, o projeto foi se distanciando dos planos originais para se tornar um sistema operacional completo, integrando todos os dispositivos inteligentes do Google (celulares e computadores, inclusive) sob um mesmo SO.

Contudo, sua existência estava limitada aos ambientes de testes do Google numa série de aparelhos e, mesmo fora do radar, o SO estava em constante desenvolvimento. Notícias e anúncios relacionados ao Fuchsia pipocavam eventualmente, mas ele não parecia ser mais que uma promessa.

Agora, nas mãos do público pela primeira vez, o sistema finalmente vai à luz — mesmo que de forma discreta. Esse movimento sugere uma estratégia: o Google quer experimentar o sistema em cenários limitados, colocando o Fuchsia como uma troca não muito chamativa para testar sua versatilidade em casos de uso específicos. Se aprovada (ou nem mesmo percebida, neste caso), a avaliação será dada como "missão cumprida" e a gigante provavlemente dará sequência aos planos.

Seria um bom começo

A implementação na tela inteligente, portanto, parece fazer sentido. Num contexto limitado como este, cujas interações acontecem majoritariamente para tarefas mais banais e com grande foco em casas inteligentes, o sistema não é levado ao extremo em multitarefas ou em carga de atividade, o que alivia a barra para o sistema operacional.

Se a recepção for positiva, estará comprovado que o Fuchsia OS está pronto para embarcar dispositivos de uma casa inteligente. Depois disso, o Google continuar com planos mais ambiciosos de distribuição e, quem sabe, anunciar a chegada do sistema operacional para outros dispositivos do catálogo.

Os próximos meses serão importantes para compreender o futuro do Fuchsia e quais os planos do Google para ele. Por agora, resta aguardar por maiores novidades e, claro, todas serão noticiadas aqui no Canaltech.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: