Mercado abrirá em 22 mins
  • BOVESPA

    110.909,61
    +2.127,46 (+1,96%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.174,06
    -907,27 (-1,78%)
     
  • PETROLEO CRU

    80,21
    +2,01 (+2,57%)
     
  • OURO

    1.774,20
    +10,50 (+0,60%)
     
  • BTC-USD

    16.897,57
    +387,47 (+2,35%)
     
  • CMC Crypto 200

    400,97
    +12,25 (+3,15%)
     
  • S&P500

    3.957,63
    -6,31 (-0,16%)
     
  • DOW JONES

    33.852,53
    +3,07 (+0,01%)
     
  • FTSE

    7.556,76
    +44,76 (+0,60%)
     
  • HANG SENG

    18.597,23
    +392,55 (+2,16%)
     
  • NIKKEI

    27.968,99
    -58,85 (-0,21%)
     
  • NASDAQ

    11.553,50
    +28,75 (+0,25%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4718
    +0,0152 (+0,28%)
     

FTX sugere que antigo CEO roubou ativos da empresa após falência

Sam Bankman-Fried, fundador e antigo CEO da FTX teria sido autor de roubo na empresa (SAUL LOEB/AFP via Getty Images)
Sam Bankman-Fried, fundador e antigo CEO da FTX teria sido autor de roubo na empresa (SAUL LOEB/AFP via Getty Images)
  • Sam Bankman-Fried teria sido instruído a hackear a própria empresa por autoridades das Bahamas;

  • Acusação foi feita pela empresa, agora sob liderança de John Ray, em um documento judicial;

  • Colapso da FTX repercutiu por todo mercado de criptoativos.

Em um documento judicial de emergência, a FTX afirmou que o antigo CEO, Sam Bankman-Fried, foi instruído pelo órgão regulador fiscal das Bahamas a obter “acesso não autorizado” aos sistemas da FTX e transferir os ativos digitais pertencentes à empresa para a custódia do governo das ilhas.

A FTX, agora sob o comando de John Ray, executivo experiente em processos de reestruturação e falência, teria sido hackeada momentos após declarar falência, resultando em uma perda de 228.523 ethers ou cerca de US$ 288 milhões (R$ 1,5 bilhão na conversão atual).

A revelação de onde estão esses recursos foi feita pela FTX em uma moção no Tribunal de Falências dos Estados Unidos em Delaware. No documento, a FTX disse que a suposta conduta coloca “em séria dúvida” um pedido dos reguladores das Bahamas para serem reconhecidos como liquidantes na falência.

Segundo os advogados, há gravações em que Sam Bankman-Fried e o co-fundador da FTX, Gary Wang, admitem que reguladores da Bahamas instruíram as transferências pós-petição de falência, e que esses ativos criptográficos estão "em FireBlocks sob controle do governo das Bahamas”.

“Os devedores, portanto, têm evidências confiáveis ​​de que o governo das Bahamas é responsável por direcionar o acesso não autorizado aos sistemas dos devedores com o objetivo de obter ativos digitais dos devedores", afirmou a FTX.

O colapso da FTX abalou o mercado de criptomoedas por inteiro. A empresa era a terceira maior corretora no mundo dos criptoativos, e estava envolvida direta e indiretamente com centenas de outras empresas e negócios no ecossistema criptográfico.