Mercado fechado

Frota protocola pedido para que Bolsonaro prove acusação de fraude

Isadora Peron

Na segunda-feira, o presidente disse ter provas de que venceu a eleição no primeiro turno O deputado Alexandre Frota (PSDB-SP) protocolou nesta terça-feira um pedido na Câmara para que o presidente Jair Bolsonaro apresente as provas que disse ter de que as eleições de 2018 foram fraudadas. O requerimento do tucano, que já foi um apoiador ferrenho de Bolsonaro, é direcionado ao presidente da Casa, Rodrigo Maia (DEM-RJ).

“Com o intuito de trazer à população uma maior clareza e transparência do processo eleitoral em tela, se faz absolutamente necessário, premente e urgente a apresentação das provas a respeito da respectiva declaração”, diz o ofício protocolado por Frota.

Pablo Valadares/Câmara dos Deputados

Na segunda-feira, em meio à crise causada pelo novo coronavírus e o impacto da queda dos preços do petróleo nas bolsas mundiais, Bolsonaro voltou a levantar suspeitas sobre o processo eleitoral de 2018, quando foi eleito no segundo turno.

“Acredito que, pelas provas que tenho em minhas mãos, que vou mostrar brevemente, eu tinha sido, eu fui eleito no primeiro turno. Mas, no meu entender, teve fraude. E nós temos não apenas palavra, nós temos comprovado, brevemente eu quero mostrar”, disse o presidente.

As afirmações foram feitas durante um encontro com a comunidade brasileira em Miami. Nesta terça-feira, ele voltou a falar sobre o assunto.

A presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministra Rosa Weber, também cobrou nesta terça-feira que Bolsonaro apresentasse as supostas provas de fraude.

“Se há fatos novos, se há provas, que possam nos ser oferecidas. Nós vamos examiná-las com o mais absoluto rigor e com total transparência, justamente no sentido da sua apuração”, disse a ministra. “É o que eu posso dizer: nós não compactuamos com fraudes.”

O vice-presidente do TSE, ministro Luís Roberto Barroso, também se manifestou no mesmo sentido.

“Lido com fatos. O fato consolidado até agora é que o sistema é absolutamente confiável. Nunca houve a demonstração de qualquer tipo de fraude. Quem trouxer algum elemento que me leve a repensar isso, estou pronto, eu sou juiz, vamos avaliar. Mas até agora, nunca aconteceu”, afirmou.

Segundo Barroso, “não pode ser uma coisa retórica, tem que ser uma coisa fundada em elementos objetivamente aferíveis”.

Em nota, o TSE rebateu as suspeitas levantadas pelo presidente e defendeu a segurança das urnas eletrônicas.

“O Tribunal Superior Eleitoral reafirma a absoluta confiabilidade e segurança do sistema eletrônico de votação e, sobretudo, a sua auditabilidade, a permitir a apuração de eventuais denúncias e suspeitas, sem que jamais tenha sido comprovado um caso de fraude, ao longo de mais de 20 anos de sua utilização”, diz o texto.