Mercado fechado
  • BOVESPA

    119.564,44
    +1.852,44 (+1,57%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.399,80
    +71,60 (+0,15%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,31
    -0,38 (-0,58%)
     
  • OURO

    1.786,60
    +10,60 (+0,60%)
     
  • BTC-USD

    56.930,54
    +2.306,74 (+4,22%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.458,02
    +52,72 (+3,75%)
     
  • S&P500

    4.167,59
    +2,93 (+0,07%)
     
  • DOW JONES

    34.230,34
    +97,31 (+0,29%)
     
  • FTSE

    7.039,30
    +116,13 (+1,68%)
     
  • HANG SENG

    28.417,98
    -139,16 (-0,49%)
     
  • NIKKEI

    28.812,63
    -241,37 (-0,83%)
     
  • NASDAQ

    13.483,50
    -52,50 (-0,39%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4258
    -0,1135 (-1,74%)
     

Frio e garoa espantam paulistanos de áreas de lazer no feriado

MARIANA FREIRE
·2 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A garoa e o frio espantaram o paulistano das ruas na manhã desta quarta-feira (21), feriado de Tiradentes. A avenida Paulista e a praça Roosevelt, ambas na região central da cidade de São Paulo, receberam pessoas a lazer ou para a prática de esportes, mas o movimento era menor que em outros dias de folga, mesmo em etapas mais restritas da quarentena. "Desse jeito como está hoje é muito tranquilo. Respeitando o distanciamento dá certo", diz a administradora Simone Freitas, 55. Carioca e moradora em Perdizes (zona oeste), ela resolveu ir à Paulista para "paulistanear" junto do marido e do cachorro. Nas calçadas da avenida havia fluxo intenso de pessoas, mas sem pontos de aglomeração. A ciclovia também estava movimentada, e os ciclistas acabavam se acumulando quando o semáforo fechava, mas logo se dispersavam. Foi esse movimento que levou a psicanalista Josilene Barros, 49, para uma caminhada ao longo da avenida. De mudança para Florianópolis para "começar uma vida nova", ela escolheu o local para se despedir de São Paulo. "A Paulista é maravilhosa, gosto muito. E como não tem aglomeração, é muito tranquilo." Na praça Roosevelt, o dia de folga era aproveitado com atividades que iam da meditação às manobras de skate. Por lá, também havia pouca gente e, durante a manhã, não foi vista aglomeração. O local, contudo, tem recebido muitas pessoas à noite, o que vai de encontro às regras da quarentena. O médico Tarik Nassar, 28, aproveitou justamente o vazio da praça para praticar atividadde física. "Venho sempre porque dá para ficar longe das outras pessoas. Acho que, com segurança, a gente tem que continuar com os exercícios porque não dá para ficar só em casa." O principal benefício, ele diz, é o alívio da ansiedade que o isolamento tem trazido. Sentada em um banco, quase escondida entre algumas plantas, a administradora Mônica Sciacco, 54, aproveitava a praça para meditar enquanto ouvia música. "É bom para relaxar e tomar um sol quando dá." Por ser um espaço amplo e aberto, ela diz que se sente segura em frequentar. "Mas se está muito cheio, fico longe das outras pessoas."