Mercado abrirá em 5 hs
  • BOVESPA

    120.705,91
    +995,88 (+0,83%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.829,31
    +80,90 (+0,17%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,91
    +0,09 (+0,14%)
     
  • OURO

    1.834,20
    +10,20 (+0,56%)
     
  • BTC-USD

    50.006,77
    -891,85 (-1,75%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.381,44
    -6,47 (-0,47%)
     
  • S&P500

    4.112,50
    +49,46 (+1,22%)
     
  • DOW JONES

    34.021,45
    +433,79 (+1,29%)
     
  • FTSE

    6.994,77
    +31,44 (+0,45%)
     
  • HANG SENG

    28.011,55
    +292,88 (+1,06%)
     
  • NIKKEI

    28.084,47
    +636,46 (+2,32%)
     
  • NASDAQ

    13.187,00
    +86,75 (+0,66%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4254
    +0,0129 (+0,20%)
     

Frigoríficos reduzem abate diante de menor demanda por carne

Fabiana Batista
·2 minuto de leitura

(Bloomberg) -- Os frigoríficos brasileiros estão reduzindo abate enquanto lutam para repassar os custos crescentes aos consumidores que vêm comendo menos carne em meio à queda da renda no país.

Cerca de 45% da capacidade dos frigoríficos do país está ociosa, o maior patamar desde 2012 quando os dados começaram a ser apurados, disse Rodrigo Queiroz, analista da Scot Consultoria responsável pela coleta dados de produção em 13 estados.

Os produtores estão sendo pressionados à medida que as crescentes exportações de carne para a China aumentam os preços do gado. Os frigoríficos não podem repassar totalmente os custos mais altos para os consumidores que lutam com o desemprego quase recorde. Dados da agência agrícola Conab mostram que o consumo per capita de carne bovina em um país conhecido por seus bifes caiu 5%, para 29,3 quilos em 2020, seu nível mais baixo desde 1996.

Embora a forte demanda por carne chinesa e a desvalorização da moeda brasileira tenham amortecido o impacto para as empresas autorizadas a exportar, cerca de três quartos do gado abatido no Brasil ainda são vendidos no mercado interno, segundo a Scot. Embarques de carne do Brasil para a China subiram 33% em março em relação ao ano anterior, segundo dados do Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços.

O preço que os frigoríficos pagam pelo gado subiu 57% no ano passado, para mais de R$ 316 (US$ 56), de acordo com o Cepea, braço de pesquisa da Universidade de São Paulo. A oferta está apertada porque os fazendeiros retêm as vacas dos matadouros, mantendo-as para reprodução depois que os preços dos bezerros atingiram um recorde.

No início do mês, o frigorífico Frigol anunciou que fechará uma unidade no estado de Goiás e continuará operando apenas nas unidades que podem exportar. Algumas outras empresas deram férias coletivas aos funcionários para reduzir a produção e aliviar parte dos custos operacionais crescentes. “A maior parte das férias coletivas foi concedida por pequenos e médios frigoríficos e alguns estabelecimentos não exportadores de grandes empresas”, disse Queiroz.

A demanda de exportação está pressionando ainda mais o mercado interno, disse o analista da Scot Felipe Fabbri. No mês passado, as partes mais baratas da carne bovina foram vendidas no mercado atacadista a preços 12% mais altos do que no mês anterior devido aos altos preços do gado, de acordo com a Scot.

“Estamos vendo os brasileiros reduzindo o consumo de carne à medida que a taxa de desemprego atinge um recorde e o auxílio emergencial para pessoas de baixa renda foi interrompido no final do ano passado”, disse Fabbri. O Brasil retomou em abril um novo pagamento do auxílio com valor equivalente a menos da metade do ano passado.

For more articles like this, please visit us at bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2021 Bloomberg L.P.