Mercado fechado

Frigoríficos nos EUA estariam ligados a até 8% de casos de Covid

Mike Dorning
·2 minuto de leitura

(Bloomberg) -- Um novo estudo relaciona 6% a 8% dos casos de Covid-19 nos Estados Unidos até o final de julho a surtos em frigoríficos e subsequente disseminação nas comunidades vizinhas.

As descobertas mostram “uma forte relação positiva” entre os frigoríficos e a “transmissão na comunidade local”, sugerindo que as plantas agem como “vetores de transmissão” e “aceleram a propagação do vírus”, de acordo com estudo revisado por pares publicado na semana passada pela Academia Nacional de Ciências dos EUA.

As conclusões certamente irão inflamar ainda mais a polêmica sobre o papel da indústria frigorífica na pandemia e na aplicação das leis de segurança no local de trabalho na administração de Donald Trump em meio a ocorrência de surtos nesses locais. Trump emitiu uma ordem executiva em 28 de abril estabelecendo a reabertura de instalações de frigoríficos fechadas.

Pesquisadores da Escola de Relações Públicas e Internacionais da Universidade de Columbia e da Booth Escola de Negócios da Universidade de Chicago descobriram que o risco de excesso de mortes veio principalmente de grandes frigoríficos operados por gigantes da indústria. As comunidades que atuaram para fechar os frigoríficos reduziram a propagação, segundo os pesquisadores.

No geral, os pesquisadores descobriram de 236.000 a 310.000 casos de Covid-19 até 21 de julho associados à “proximidade de frigoríficos”, compreendendo 6% a 8% dos casos de vírus na época. Entre 4.300 e 5.200 mortes de Covid-19 foram relacionadas ao fato de estarem perto de frigoríficos, representando cerca de 3% a 4% das mortes nos Estados Unidos naquele período.

“A grande maioria” desses casos foi “provavelmente relacionada à disseminação da comunidade fora dessas plantas”, escreveram os pesquisadores.

Os pesquisadores também encontraram plantas que receberam permissão do Departamento de Agricultura dos EUA para aumentar as velocidades da linha de produção que tiveram relativamente mais casos.

“Garantir a saúde pública e cadeias de abastecimento essenciais robustas pode exigir um aumento na supervisão dos frigoríficos e, potencialmente, uma mudança em direção a uma produção de carne em menor escala e mais descentralizada”, concluiu o estudo.

Representantes do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos e do Instituto Norte Americano de Carne não responderam imediatamente aos pedidos de comentário.

For more articles like this, please visit us at bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2020 Bloomberg L.P.