Mercado fechado
  • BOVESPA

    115.202,23
    +2.512,05 (+2,23%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.342,54
    +338,35 (+0,74%)
     
  • PETROLEO CRU

    66,28
    +2,45 (+3,84%)
     
  • OURO

    1.698,20
    -2,50 (-0,15%)
     
  • BTC-USD

    47.795,79
    -371,11 (-0,77%)
     
  • CMC Crypto 200

    982,93
    +39,75 (+4,21%)
     
  • S&P500

    3.841,94
    +73,47 (+1,95%)
     
  • DOW JONES

    31.496,30
    +572,16 (+1,85%)
     
  • FTSE

    6.630,52
    -20,36 (-0,31%)
     
  • HANG SENG

    29.098,29
    -138,50 (-0,47%)
     
  • NIKKEI

    28.864,32
    -65,78 (-0,23%)
     
  • NASDAQ

    12.652,50
    +197,50 (+1,59%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7797
    -0,0062 (-0,09%)
     

Frigoríficos e açougues fazem protesto contra mudança do ICMS em SP

BRUNA NARCIZO
·2 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Açougues e distribuidores de carne organizaram uma manifestação nesta quarta-feira (27) contra a mudança na cobrança do do ICMS para carnes bovinas, suínas e de aves para micro e pequenos açougues e supermercados. A organização afirma que cerca de 1.200 caminhões participaram do ato, que foi marcado para às 6h no estádio do Pacaembu. Cerca de 600 veículos de pequeno porte foram até a Secretaria da Fazenda do estado e o restante foi até o Palácio dos Bandeirantes, sede do governo estadual. No dia 15 de janeiro, o governo João Doria (PSDB) manteve os decretos publicados no passado e não revogou a mudança na cobrança de ICMS para as carnes. Com isso, somente as negociações feitas com grandes redes manterão a redução na base de cálculo do imposto estadual que resulta em uma alíquota de 7%. Decreto publicado em outubro de 2020 e que começou a vigorar no dia 15 excluiu dessa redução as empresas do Simples Nacional. "Só queremos uma reunião com a comissão organizadora para a gente tentar explicar que eles estão sobretaxando a carne para o povo", diz Paulo Camiça, distribuidor de carnes e um dos organizadores do protesto. Camiça afirma que os manifestantes foram recebidos pela tropa de choque da Polícia Militar que estava nos arredores da sede do governo. O senador Major Olímpio (PSL-SP) também participou do ato. "Eu que fiz os pedidos formais que a Constituição manda que sejam feitos para a polícia para não atrapalhar o trânsito. Infelizmente houve a ordem que a PM impedisse o deslocamento a pé e optamos por encerramos o ato, não nos interessa entrar em confronto com a PM", afirmou. O ato contra o governo Doria foi compartilhado nas redes sociais pelo deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), filho do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), que atualmente trava um embate político com o governador paulista, potencial adversário em 2022. "Eles vão fazer isso porque qualquer coisa que seja negativa para o Doria, vai ser um motivo para eles trabalharem forte nisso. Não fiz isso para agradar os filhos do presidente, muito menos o presidente", diz o senador, que rompeu com Bolsonaro em 2019 e já discutiu publicamente com os filhos do presidente.