Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.113,93
    +413,26 (+0,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.726,98
    +212,88 (+0,44%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,07
    -0,39 (-0,61%)
     
  • OURO

    1.777,30
    +10,50 (+0,59%)
     
  • BTC-USD

    62.049,34
    -818,88 (-1,30%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.398,97
    +7,26 (+0,52%)
     
  • S&P500

    4.185,47
    +15,05 (+0,36%)
     
  • DOW JONES

    34.200,67
    +164,68 (+0,48%)
     
  • FTSE

    7.019,53
    +36,03 (+0,52%)
     
  • HANG SENG

    28.969,71
    +176,57 (+0,61%)
     
  • NIKKEI

    29.683,37
    +40,68 (+0,14%)
     
  • NASDAQ

    14.024,00
    +10,00 (+0,07%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6872
    -0,0339 (-0,50%)
     

De frigoríficos a aviões, tudo o que Luiza Helena Trajano conseguiu para tentar vacinar o país todo até setembro

Maria Laura Neves
·2 minuto de leitura

Reconhecida pela intensidade com que executa suas tarefas e projetos, Luiza Helena Trajano, maior acionista e presidente do conselho da Magalu, entendeu logo que a vacinação é a única solução para dar início a um processo de recuperação da economia no Brasil. "Temos que trabalhar muito forte para isso”, disse, numa reunião virtual com dezenas de empresários, no dia 1º de fevereiro.

O convite aos líderes de 73 empresas do Instituto de Desenvolvimento do Varejo (que reúne gigantes como Avon, Boticário, Renner e seu Magalu) estava feito — e foi prontamente aceito. O mesmo aconteceu no grupo Mulheres do Brasil, que reúne 75 mil mulheres sob a batuta de Luiza. Com a aliança selada, ela decidiu entrar em contato com o governo federal.

O passo seguinte foi marcar uma reunião com o ministro da Casa Civil, Walter Braga Netto, e presidentes de grandes empresas brasileiras, como Paulo Kakinoff, da Gol, e Walter Schalka, da Suzano. “Nossa ideia era somar. Fomos oferecer ajuda”, ressalta a empresária à ELA, em uma conversa por chamada de vídeo, no fim de fevereiro. Nascia assim o Unidos Pela Vacina, movimento que se propõe a ajudar a vacinar o Brasil todo até setembro.

Um mês depois do primeiro encontro, o Unidos Pela Vacina já contava com os aviões para o transporte das vacinas, frigoríficos para armazená-las, caminhões refrigerados e laboratórios farmacêuticos interessados em produzi-las. “Uma indústria que tem cem fábricas no país ofereceu seus funcionários da saúde e os pátios para vacinar”, conta Sonia Hess, amiga de Luiza Helena, vice-presidente do Mulheres do Brasil e uma das envolvidas no movimento, que inclui também apoio aos governos estaduais e a prefeituras. “O prefeito de Serrana (município onde o governo paulista tem o projeto piloto de imunizar toda a população) me ligou pedindo ar-condicionado para vacinar as pessoas nas escolas”, relata Luiza. Três dias depois, 12 aparelhos foram enviados para a cidade.

Também há esforços dirigidos à falta de doses. “No fim de fevereiro, uma equipe especializada em comércio internacional foi a Brasília para dar consultoria às autoridades responsáveis”, diz Marcelo Silva, presidente do Instituto de Desenvolvimento do Varejo, que faz o contato com o governo federal. Além disso, o grupo está mapeando a estrutura dos 5.568 municípios brasileiros. “Cada prefeito está respondendo se tem a geladeira necessária, as seringas”, conta Luiza Helena. “Teremos o mapeamento completo.”