Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.439,37
    -2.354,63 (-2,07%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.307,71
    -884,59 (-1,69%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,67
    -0,30 (-0,42%)
     
  • OURO

    1.752,50
    +1,10 (+0,06%)
     
  • BTC-USD

    47.114,18
    -707,95 (-1,48%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.177,44
    -48,09 (-3,92%)
     
  • S&P500

    4.432,99
    -40,76 (-0,91%)
     
  • DOW JONES

    34.584,88
    -166,42 (-0,48%)
     
  • FTSE

    6.963,64
    -63,84 (-0,91%)
     
  • HANG SENG

    24.920,76
    +252,96 (+1,03%)
     
  • NIKKEI

    30.500,05
    +176,75 (+0,58%)
     
  • NASDAQ

    15.320,75
    -5,25 (-0,03%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1932
    -0,0062 (-0,10%)
     

Frigorífico da Minerva é alvo de busca e apreensão em operação da PF

·1 minuto de leitura

SÃO PAULO (Reuters) - Uma unidade da Minerva Foods em Palmeira de Goiás (GO) foi alvo de busca e apreensão pela Polícia Federal (PF) dentro da Operação A Posteriori, que apura supostas irregularidades de auditores fiscais federais agropecuários no período de 2018 a 2019, informou a companhia nesta sexta-feira.

Segundo a empresa, o procedimento, realizado na véspera, teve cooperação dos colaboradores da Minerva e a planta mantém suas atividades regulares.

"Não existe indiciamento ou denúncia contra a companhia, contra seus administradores ou qualquer de seus empregados ou colaboradores no âmbito da operação", disse em comunicado.

A PF informou em nota que a operação visa combater o recebimento ilícito de valores por parte de servidores do Ministério da Agricultura, para não fiscalizarem o processamento de produtos de origem animal.

Mandados de busca e apreensão também foram cumpridos no município de Goiânia (GO).

Segundo a PF, uma denúncia foi encaminhada ao ministério em julho de 2018, dando origem às investigações.

"Também foi apurado que auditores fiscais emitiam certificados sanitários 'a posteriori', com data retroativa, sugerindo a falta de fiscalização in loco dos produtos de origem animal comercializados."

Levantamentos sobre os bens do investigado apontaram para uma evolução patrimonial supostamente incompatível com os rendimentos com servidor público do ministério, apontou a PF.

"Constatou-se depósitos mensais suspeitos, que variavam de 5 mil a 10 mil reais entre os anos de 2018 a 2019. Tais valores representaram quase 50% da remuneração do cargo de auditor agropecuário do Ministério da Agricultura para o período."

Os investigados poderão responder por associação criminosa, corrupção ativa e passiva, além de lavagem de dinheiro, podendo pegar mais de 10 anos de prisão.

(Por Nayara Figueiredo; reportagem adicional de Rodrigo Viga Gayer)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos