Mercado fechado
  • BOVESPA

    115.202,23
    +2.512,23 (+2,23%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.342,54
    +338,34 (+0,74%)
     
  • PETROLEO CRU

    66,09
    +2,26 (+3,54%)
     
  • OURO

    1.698,50
    -2,20 (-0,13%)
     
  • BTC-USD

    50.689,37
    +2.430,04 (+5,04%)
     
  • CMC Crypto 200

    982,93
    +39,75 (+4,21%)
     
  • S&P500

    3.841,94
    +73,47 (+1,95%)
     
  • DOW JONES

    31.496,30
    +572,20 (+1,85%)
     
  • FTSE

    6.630,52
    -20,36 (-0,31%)
     
  • HANG SENG

    29.098,29
    -138,51 (-0,47%)
     
  • NIKKEI

    28.864,32
    -65,78 (-0,23%)
     
  • NASDAQ

    12.652,50
    +197,50 (+1,59%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7780
    -0,0079 (-0,12%)
     

Fretamento aéreo vive seu pior momento em Manaus

FILIPE OLIVEIRA E MARIANA GRAZINI
·1 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O mercado de fretamento aéreo, que até o início da pandemia estava acostumado a levar carregamentos para indústrias como a farmacêutica e a automotiva, vive agora seu pior cenário com a crise em Manaus. O drama humano, somado a dificuldades estruturais e de oferta inerentes ao setor, faz deste o momento mais difícil dos últimos meses, segundo Ana Benavente, diretora da multinacional Air Charter para a América do Sul. Desde que a pandemia começou, a companhia teve diferentes ondas. Primeiro veio a busca por voos para repatriar pessoas quando as fronteiras começaram a se fechar. Depois, os equipamentos de proteção individual —foram mais de 30 mil toneladas desde março, segundo a Air Charter. Mas antes do esperado pico de demanda para levar vacinas surgiu a tragédia de Manaus. Na quinta-feira (14), a empresa diz ter recebido um pedido emergencial para levar 6,5 toneladas de equipamentos hospitalares do Rio para lá. Entre as dificuldades, Benavente afirma que o porte das aeronaves disponíveis no mercado brasileiro não é o ideal para o carregamento de cilindros de oxigênio. "Dos tubos maiores, muita coisa fica para trás. Não dá para levar. Tem o avião, mas não entra na porta", diz. Segundo a executiva, além dos casos de pacientes tão graves que nem podem ser levados em aeromédico, os aviões ficam baseados em pontos distantes de Manaus. "Não é perto como Rio, Brasília, SP. Tem o drama de esperar. E não é só um caso. São muitos. Estão todos cansados do batidão do ano passado, mas isso de agora ninguém nunca viu", afirma.