Mercado fechado
  • BOVESPA

    106.296,18
    -1.438,83 (-1,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.889,66
    -130,39 (-0,25%)
     
  • PETROLEO CRU

    83,98
    +1,48 (+1,79%)
     
  • OURO

    1.793,10
    +11,20 (+0,63%)
     
  • BTC-USD

    61.354,19
    +619,86 (+1,02%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.453,34
    -49,69 (-3,31%)
     
  • S&P500

    4.544,90
    -4,88 (-0,11%)
     
  • DOW JONES

    35.677,02
    +73,94 (+0,21%)
     
  • FTSE

    7.204,55
    +14,25 (+0,20%)
     
  • HANG SENG

    26.126,93
    +109,40 (+0,42%)
     
  • NIKKEI

    28.804,85
    +96,27 (+0,34%)
     
  • NASDAQ

    15.324,00
    -154,75 (-1,00%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5808
    -0,0002 (-0,00%)
     

Frequentadores do Jardim de Alah denunciam má conservação do parque

·2 minuto de leitura

RIO — Frequentadores do Jardim de Alah, na divisa de Ipanema com o Leblon, na Zona Sul do Rio, denunciam o péssimo estado de conservação de um dos portões do parque: corroído, ele está sendo mantido no lugar por meio de cordas. Porém, ao solicitar o conserto do equipamento à prefeitura, o que receberam foi a destruição, na sexta-feira (24), de uma obra feita pelos próprios moradores para facilitar o acesso de cadeirantes e carrinhos de bebê. Valéria Lopes estava no local quando viu o maquinário público quebrando o concreto que unia a entrada à rampa de acessibilidade, e filmou a cena.

— A sorte é que foi num horário em que não havia muitos cachorros. Mas ninguém perguntou se usamos o acesso antes de destruí-lo — lamenta.

— O desnível entre o portão e o chão é muito grande, então cadeirantes não conseguem entrar sozinhos no parque — conta Gladys Veiga, que gastou R$ 630 em recursos próprios para comprar os materiais usados na construção da obra.

Segundo a moradora de Ipanema, a intervenção foi feita meses atrás com a anuência do gestor do Parque Garota de Ipanema e Jardim de Alah, Fabio Bandeira, nomeado para o cargo em março deste ano.

— Agora, depois de meses, falaram que a praça é tombada e houve reclamações. Não dá para entender o critério da prefeitura. Um órgão não conversa com o outro. Se havia algo errado, poderiam ter corrigido em vez de derrubar — reclama Gladys, que também pagou pela corda que atualmente segura o portão danificado.

A moradora conta que resolveu mexer no próprio bolso porque considera o Jardim de Alah como parte de casa:

— Não usufruímos do parque? Então pronto. Temos que cuidar e zelar por ele — diz ela, que costuma levar seus animais de estimação para passear na área.

— Eu espero que a prefeitura revitalize essa praça, assim como está fazendo com outras. Todos os problemas que acontecem no Jardim de Alah são resolvidos por nós, os moradores, frequentadores e passeadores — diz Valéria Lopes.

Em nota, a Secretaria Municipal de Conservação informa que mandará uma equipe até o local para fazer vistoria e programar os reparos no portão. A secretaria de Meio Ambiente disse que uma “nova rampa, seguindo parâmetros legais, será construída e o portão, consertado.” A pasta destacou que possui diálogo com moradores e frequentadores do Jadim de Alah, mas não deu prazo para a instalação da rampa ou sobre a anuência do gestor Fábio Bandeira.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos