Mercado fechado
  • BOVESPA

    125.052,78
    -1.093,88 (-0,87%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.268,45
    +27,94 (+0,06%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,17
    +0,26 (+0,36%)
     
  • OURO

    1.802,10
    -3,30 (-0,18%)
     
  • BTC-USD

    34.033,71
    +842,91 (+2,54%)
     
  • CMC Crypto 200

    786,33
    -7,40 (-0,93%)
     
  • S&P500

    4.411,79
    +44,31 (+1,01%)
     
  • DOW JONES

    35.061,55
    +238,20 (+0,68%)
     
  • FTSE

    7.027,58
    +59,28 (+0,85%)
     
  • HANG SENG

    27.321,98
    -401,86 (-1,45%)
     
  • NIKKEI

    27.548,00
    +159,80 (+0,58%)
     
  • NASDAQ

    15.091,25
    +162,75 (+1,09%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1216
    +0,0014 (+0,02%)
     

Freixo e Castro investem na polarização da disputa no Rio

·3 minuto de leitura

O embarque do deputado Marcelo Freixo no PSB e a filiação do governador do Rio, Cláudio Castro, ao PL movimentaram as peças do jogo eleitoral de 2022 com vistas ao Palácio Guanabara e reforçaram a tendência de o Rio reproduzir a polarização já prevista para o pleito nacional.

Para aliados de Freixo, Castro se configurou como o rival ideal para a esquerda: apresenta-se como o nome do presidente Jair Bolsonaro, tem um mandato vulnerável a críticas, abraçou um discurso conservador e foi eleito com Wilson Witzel, ex-governador que sofreu impeachment sob suspeita de corrupção.

No grupo de Castro, o sentimento não é diferente em relação a Freixo. Seus interlocutores preparam uma pauta de costumes para levar à campanha, na tentativa de relacionar o deputado que deixou o PSOL ao ex-presidente Lula, que lhe dá o apoio do PT, e a temas polêmicos contrários ao discurso conservador.

A polarização e a troca de ataques não esperaram a campanha oficial. O governador intensificou sua exposição em eventos oficiais e nas redes sociais — aliados têm pesquisas que mostram Castro ainda como uma imagem desconhecida na maior parte do estado. Nos discursos, o governador reforça parcerias com o Planalto, levanta temas conservadores e que agradam aos bolsonaristas, como segurança pública, e mira em Freixo.

— A segurança pública é prioridade. Depois de uma operação feita para cumprir mandados judiciais, eles (políticos de esquerda) acham que vão meter medo em nós, com pedidos de CPI e impeachment. Marcelo Freixo e a sua trupe do PSOL, podem pedir quantos impeachments quiserem, a polícia fará o seu trabalho. Nossa missão é libertar o nosso povo. Inclusive de vocês. Não adianta tentar antecipar 2022 — disse Castro em defesa da polícia após a operação na Favela do Jacarezinho, em maio, que deixou 28 mortos.

Em outro embate, dias antes, Freixo usou redes sociais para disparar diretamente contra Castro, com críticas à condução do combate à pandemia por ele e por Bolsonaro.

“Cláudio Castro, covardia é ser submisso a Bolsonaro e impor ao RJ a política negacionista do presidente. 696 doentes estão à espera de um leito de UTI no Estado enquanto você faz festinha de aniversário. 411 pessoas morreram ontem. Abrir leito é sua obrigação como governador. Você está de joelhos para a família Bolsonaro porque tem medo das investigações do Ministério Público por suspeita de receber propina num contrato milionário de tratamento oftalmológico para pessoas de baixa renda”, escreveu Freixo. O governador nega qualquer irregularidade.

Segundo o presidente regional do PL, deputado federal Altineu Côrtes, a estratégia eleitoral de Castro passa por pautas de costumes, aproximação com Bolsonaro e busca por alianças, além de marcas de sua gestão— uma cobrança dos aliados. O discurso conservador busca reforçar laços com o eleitorado evangélico (embora Castro seja católico) e mira em Freixo. Já um pacote de bondades, com obras e programas, tenta solidificar o apoio de prefeitos e parlamentares. Castro pretende anunciar, entre outros projetos, 20 restaurantes populares, revitalização de 50 Cieps e incentivos à indústria naval.

— Nosso posicionamento já atraiu ao menos 80 prefeitos (de um total de 92 municípios fluminenses), mais o apoio de Patriota, PP, PSL, Solidariedade, DEM, PSDB, MDB, Podemos, Avante, PSC, DC e PTC — contabiliza Côrtes.

Para o senador Carlos Portinho (PL-RJ), mesmo cedo, a polarização nacional ganhou força e existe forte probabilidade de pautar um discurso ideológico e plebiscitário:

— No Rio, a discussão vai passar por propostas de trabalho, dado o histórico de problemas dos governos que antecederam o de Cláudio Castro. Mas isso não impede que a discussão ideológica também ganhe força nos palanques.

A esquerda comemora a polarização. Segundo alguns caciques, há o desejo de uma aliança ampla — como costura Castro na direita —, para trazer siglas do centro e eleitores indecisos ou arrependidos do voto em Bolsonaro. Mas isso tem complicado os planos iniciais. Para petistas do Rio, a princípio o PSB apostaria no deputado Alessandro Molon para o Senado, mas, para aderir a Freixo, é bem provável que partidos de centro queiram mais que a vice na chapa. Uma ideia é oferecer a vaga para Felipe Santa Cruz, aposta do prefeito do Rio, Eduardo Paes (PSD), ao Guanabara.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos