Mercado fechará em 1 h 3 min
  • BOVESPA

    108.744,24
    +914,52 (+0,85%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.678,97
    -656,54 (-1,23%)
     
  • PETROLEO CRU

    77,87
    +0,73 (+0,95%)
     
  • OURO

    1.886,70
    +1,90 (+0,10%)
     
  • BTC-USD

    22.967,52
    -307,49 (-1,32%)
     
  • CMC Crypto 200

    529,32
    -7,57 (-1,41%)
     
  • S&P500

    4.129,59
    -34,41 (-0,83%)
     
  • DOW JONES

    34.041,67
    -115,02 (-0,34%)
     
  • FTSE

    7.885,17
    +20,46 (+0,26%)
     
  • HANG SENG

    21.283,52
    -15,18 (-0,07%)
     
  • NIKKEI

    27.606,46
    -79,01 (-0,29%)
     
  • NASDAQ

    12.570,00
    -206,75 (-1,62%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5959
    +0,0188 (+0,34%)
     

Free Flow | Como funciona o novo sistema de pedágio que está gerando polêmica

Você já ouviu falar do Free Flow? A tradução pura e simples significa "fluxo livre", e essa é a ideia básica da resolução número 984 do Conselho Nacional de Trânsito (Contran) para a cobrança de pedágio em rodovias e vias urbanas do País.

O novo sistema de cobrança de pedágio foi regulamentado para entrar em vigor no dia 2 de janeiro de 2023 e, apesar de ainda não estar implementado, já gera polêmica. Principalmente no que diz respeito à forma como será feita a cobrança ao usuário.

O problema é que a ideia original do novo sistema de pedágio obriga o proprietário a instalar nele um dispositivo que possibilite a identificação do veículo e a medição exata de qual trecho ele percorreu na via pedagiada.

Leitura das tags ou das placas será feita de forma automática (Imagem: Divulgação/Ecopistas)
Leitura das tags ou das placas será feita de forma automática (Imagem: Divulgação/Ecopistas)

A polêmica

De acordo com o CTB (Código de Trânsito Brasileiro), porém, os veículos são obrigados a ter apenas dois sinais de identificação: as placas (dianteira e traseira) e o número do chassi. Portanto, a instalação obrigatória de uma tag ou outro tipo de equipamento estaria em desacordo com a legislação.

Em entrevista para o UOL, o presidente do Instituto Brasileiro de Direito de Trânsito Danilo Oliveira foi taxativo ao afirmar que o Contran não pode criar uma nova identificação veicular. O especialista alegou ainda que não há um banco de dados nacional com cadastro das tags associadas ao Renavam dos veículos, algo que dificultaria o funcionamento e controle do Free Flow.

A ANTT (Agência Nacional de Transportes Terrestres) reforçou a questão e apontou ainda que a adoção das tags para identificação dos veículos depende de adesão “prévia, expressa e voluntária” do usuário, e que ele é livre para escolher quaisquer tecnologias disponíveis na via.

Cobrança por quilômetro rodado é uma das novidades do Free Flow (Imagem: Divulgação/ANTT)
Cobrança por quilômetro rodado é uma das novidades do Free Flow (Imagem: Divulgação/ANTT)

O que muda e como será a cobrança do Free Flow?

São duas as mudanças básicas do novo sistema de pedágio em relação ao que existe atualmente nas vias urbanas e rodovias do Brasil:

  • Cobrança por trecho rodado;

  • Ausência das tradicionais praças de pedágio.

Este ponto específico visa melhorar o fluxo de carros, já que os motoristas não teriam mais que obrigatoriamente parar ou diminuir a velocidade para passar por cabines (no caso de possuírem tags tradicionais, como Sem Parar).

De acordo com a resolução do Contran, as rodovias precisarão ter, em suas entradas, placas sinalizadoras indicando que o sistema sem cancela está em vigor, o custo por trecho, as formas de pagamento aceitas e canais de contato para sanar eventuais dúvidas dos usuários, como telefone e site.

Monitoramento será constante e cobrança começará quando carro entrar na rodovia monitorada (Imagem: Poung Saed_eco /Envato/CC)
Monitoramento será constante e cobrança começará quando carro entrar na rodovia monitorada (Imagem: Poung Saed_eco /Envato/CC)

Como será feita a cobrança?

Para o Free Flow funcionar corretamente, as concessionárias que administram as rodovias precisarão colocar os chamados pórticos nos principais pontos de acesso — entrada e saída de municípios, por exemplo. Desta forma, um carro será identificado quando entrar e quando deixar a rodovia, e será cobrado de acordo com o trecho percorrido.

A cobrança por trecho rodado será feita por meio da leitura do chip presente na tag da empresa parceira da concessionária ou, então, pelo reconhecimento óptico de caracteres, que lê a placa do veículo ao passar por um determinado ponto e verifica os dados cadastrados no sistema.

Quem não pagar o pedágio por trecho percorrido terá cometido um crime de trânsito, será penalizado por evasão de divisas e terá que arcar com multa e perda de pontos na CNH.

Implementação experimental do Free Flow será na Rodovia Rio-Santos, a BR-101 (Imagem: Divulgação/CCR Rodovias)
Implementação experimental do Free Flow será na Rodovia Rio-Santos, a BR-101 (Imagem: Divulgação/CCR Rodovias)

Para caracterizar a infração e cobrar o motorista responsável, a empresa que administra a rodovia precisa fornecer as seguintes informações aos órgãos reguladores:

  • Registro do veículo pela via;

  • Data e hora de passagem em cada ponto de leitura;

  • Identificação da placa do veículo;

  • Data e hora do registro do não pagamento da tarifa de pedágio após o prazo de 15 (quinze) dias.

Onde o pedágio Free Flow será implementado?

A primeira rodovia a receber o sistema de pedágio Free Flow será a BR-101, também conhecida como Rio-Santos. A CCR RioSP, empresa que administra o trecho, anunciou que os pontos serão instalados no percurso que liga Ubatuba, no litoral norte de São Paulo, ao Rio de Janeiro.

As cidades de Itaguaí (km 414), Mangaratiba (km 447) e Paraty (km 538) terão os pórticos instalados durante o período experimental. Após o período experimental, o sistema pode ou não ser expandido para outras rodovias federais.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: