Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.575,47
    +348,38 (+0,32%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    41.674,30
    -738,17 (-1,74%)
     
  • PETROLEO CRU

    45,53
    -0,18 (-0,39%)
     
  • OURO

    1.781,90
    -23,60 (-1,31%)
     
  • BTC-USD

    17.064,89
    +340,10 (+2,03%)
     
  • CMC Crypto 200

    333,27
    -4,23 (-1,25%)
     
  • S&P500

    3.638,35
    +8,70 (+0,24%)
     
  • DOW JONES

    29.910,37
    +37,90 (+0,13%)
     
  • FTSE

    6.367,58
    +4,65 (+0,07%)
     
  • HANG SENG

    26.894,68
    +75,23 (+0,28%)
     
  • NIKKEI

    26.644,71
    +107,40 (+0,40%)
     
  • NASDAQ

    12.257,50
    +105,25 (+0,87%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3746
    +0,0347 (+0,55%)
     

Wassef nega acusação de injúria racial: "já namorei uma negra e meu avô era meio mulato"

·2 minuto de leitura
Foto: SERGIO LIMA/AFP via Getty Images
Foto: SERGIO LIMA/AFP via Getty Images

Ex-advogado da família Bolsonaro, Frederick Wassef negou ser racista após ser acusado de injúria racial por uma atendente de pizzaria em Brasília. A jovem registrou boletim em que alega ter sido chamada de “macaca” pelo advogado.

"Já namorei uma negra, o meu avô, pai de meu pai, era mulato, meio mulato. Não sou racista. Inclusive, meu pai mesmo tem o cabelo bem pixaim, encaracolado", alegou o advogado, em entrevista à jornalista Bela Megale, do jornal O Globo.

Leia também

Segundo o relato da vítima, Wassef reclamou da pizza e questionou se a atendente havia experimentado o prato. Ela respondeu que não, ao que ele retrucou: “Você é uma macaca! Você come o que te derem".

Wassef classificou a acusação da jovem como uma “farsa” planejada pelo gerente da pizzaria, que já teria tentado prejudicá-lo em ocasiões anteriores.

"Estão mentindo e armando para destruir a minha imagem e minha reputação, me incriminar. Jamais na minha vida destratei qualquer pessoa, não sou nem fui racista, tenho grandes amigos irmãos negros", defendeu-se o advogado que ganhou repercussão nacional ao abrigar Fabricio Queiroz, ex-assessor de Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ), acusado de ser operador financeiro do esquema das rachadinhas atribuído ao agora senador quando ele atuava como deputado no Rio de Janeiro.

Além de negar a acusação, Wassef se diz vítima de “crime de calúnia”. Ele foi à delegacia nesta quinta-feira (12) para prestar queixa contra a funcionário por denunciação caluniosa.

"Quem está patrocinando isso? Quem está por trás disso? Arquitetaram um plano. Alguém contratou, patrocinou e pagou advogados caros e famosos de Brasília. Em nenhum momento eu chamei a moça de macaca, nem chamei de negra. Importante dizer, ela não é negra", alegou o advogado.

Ao Globo, Wassef diz que o arquiteto da suposta fraude contra si é um “antibolsonarista radical” e afirma já ter sido destratado pelo homem diversas vezes.

"Já o vi me filmando, porque me reconheceu como advogado de Bolsonaro. Pelas informações que apurei, ele não gosta do Bolsonaro, é antibolsonarista radical, sempre me destratou. Ele é um desafeto que não gosta de mim por motivos ideológicos e políticos. Usou uma funcionária nova, fez a cabeça dela, arrumou quem patrocinasse advogados, coisa e tal, arquitetaram esse plano e, três dias depois, levaram a cabo", alega Wassef.