Mercado abrirá em 2 h 25 min
  • BOVESPA

    130.207,96
    +766,93 (+0,59%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.029,54
    -256,92 (-0,50%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,35
    +0,47 (+0,66%)
     
  • OURO

    1.866,80
    +0,90 (+0,05%)
     
  • BTC-USD

    39.950,03
    +785,12 (+2,00%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.002,40
    +33,56 (+3,46%)
     
  • S&P500

    4.255,15
    +7,71 (+0,18%)
     
  • DOW JONES

    34.393,75
    -85,85 (-0,25%)
     
  • FTSE

    7.164,49
    +17,81 (+0,25%)
     
  • HANG SENG

    28.638,53
    -203,60 (-0,71%)
     
  • NIKKEI

    29.441,30
    +279,50 (+0,96%)
     
  • NASDAQ

    14.134,00
    +9,25 (+0,07%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1324
    +0,0009 (+0,01%)
     

Fred vira febre em famílias tricolores, que batizam filhos com nome do ídolo do Fluminense

·4 minuto de leitura

Isis e Diogo Calixto são daqueles torcedores que não poupam esforços para estar junto ao Fluminense. Um fanatismo tão grande que sai dos gramados e entra na vida pessoal do casal. Tanto que decidiram colocar o nome do filho de Fred, em homenagem ao ídolo que enfrenta o Santa Fe, às 21h (de Brasília), pela Libertadores. E eles não estão sozinhos. Não são poucos os tricolores que têm usado as crianças para demonstrar gratidão e idolatria.

Frederico Calixto, de um ano e seis meses, ainda não sabe que tem esse nome por causa do camisa 9, mas irá aprender como o ídolo foi fundamental para a mãe frequentar arquibancadas. Antes, ela não ligava para futebol, mas virou Fluminense devido a influência do artilheiro e do marido.

— Quando soubemos que ia ser um menino, ela disse que não tinha ideia de nome. Aproveitei a oportunidade e disse Frederico. No almoço que programamos para contar aos nossos familiares, minha irmã mais nova perguntou se era por causa "do jogador" e virou uma brincadeira entre as famílias — conta Diogo.

Já Filipe Arauco, ou Phil como é conhecido, teve um pouco de "sorte". Não que Frederico Raphaelli não fosse receber esse nome, mas a história é diferentes quando contada por ele ou por sua esposa, Erena Ksepka. Para o pai, é por causa do atacante. Para a mãe, devido a um projeto de trabalho.

— Quem deu a ideia do nome foi ela, mas não associou ao jogador. Ela gosta do nome Frederico, mas não ia querer se tivesse só associado ao jogador. Depois de alguns meses, ela quis dar para trás (risos) — brinca Phil, que rapidamente é corrigido por Erena.

— Sou designer de interiores e, quando estava grávida, fizemos um quarto de um menino que se chamava Frederico. Era uma graça. Óbvio que eu sabia quem era o Fred, mas associei ao Fredinho do escritório. Ao longo da gravidez, comecei a reparar, mas já estava afinada com a decisão.

De acordo com o Censo Demográfico do IBGE, o nome Fred é o 2.075º mais popular do Brasil. Já Frederico vai melhor (684º). Os nascimentos por década tem gráficos parecidos com auge entre 1970 e 1980, muito por influência do cantor Freddie Mercury. Não dá para saber se a nova crescente nos anos 2000 é por causa do camisa 9, mas a torcida do Fluminense tem ajudado a subir o número.

Para Éros Mendes, mestre em Ciências Sociais pela PUC-Rio, essa crescente é um fenômeno popular no futebol. Quem torce para o Flamengo tende a ter preferência por Arthur, para homenagear Zico. Não são poucos os Romários ou Ronaldos espalhados pelo país.

— Estamos falando de jogadores de futebol que tem uma fama extremamente positiva e atraem esse fenômeno. Existem ciclos no futebol, como muitos sendo batizados como Romário. Até quem são é brasileiro tem essa imagem do ídolo. Os pais ajudam esse imaginário a ser alimentado — afirma o especialista.

Esse carinho quebrou uma tradição na casa de Monike Lourinho. Ao saber que estava grávida, bateu o pé para que a criança se chamasse Fred. O problema é que na família de Nelson Gomes, seu marido, todos os filhos homens tem o nome do pai. Neste caso, ela venceu e Frederico Massal hoje tem quatro anos.

— Quando descobri a gravidez, queria que fosse menino e ele já tinha o nome. Antes de descobrir o sexo, já o chamava assim. Foi um processo de aceitação, pois na família do Nelsinho tinha essa tradição. Quebramos um paradigma, mas até pouco tempo meu sogro o chamava de Fred Nelson — brinca Monike.

Mas e se ele decidir torcer para outro time? No caso de Frederico Colonezi a pergunta é inevitável. Mas os pais Marcelo Colonezi e Carolina Leal tem a resposta.

— Essa hipótese jamais existiu, ele é tricolor desde antes de nascer — brincam.

Fred, o original, camisa 9 do Fluminense, está ciente deste movimento e admite faltar palavras. Ele agradece ao carinho dos torcedores.

— Veio um aqui [no CT do Fluminense], tirei foto com eles. Tem a Patricia, filha do funcionario [que colocou o nome do filho de Fred]. Conheço uma galera. Tem a de Curitiba, mãe da Maria Clara, que tem um Fredinho também. Tem várias histórias legais. É muito especial. Tem um monte de cachorro nas famílias que são Fred, Conca, Deco... para homenagear.