Mercado fechado

Fraudador usava nomes de Neymar, Luciano Hang e Paulo Guedes para conseguir auxílio emergencial

Redação Notícias
·1 minuto de leitura
Scene Of Brazilian Federal Police Land Vehicle Parked At Rio De Janeiro International Airport Without Nobody Inside The Vehicle During The Day In Brazil South America
De acordo com a PF, o investigado abriu contas fraudulentas na Caixa para receber o valor do benefício em nome de personalidades e celebridades. (Foto: Getty Images)

A Polícia Federal cumpriu, nesta terça-feira (27), um mandado de busca e apreensão contra um suspeito de receber o auxílio emergencial em nome de personalidades famosas, como Neymar, Luciano Hang, dono da Havan, e Paulo Guedes, ministro da Economia. O caso ocorreu na Grande Fortaleza.

Segundo informações do G1, o investigado abriu contas fraudulentas na Caixa Econômica Federal para receber o valor do benefício, equivalente a R$ 600. O banco não se pronunciou sobre o assunto.

A PF apreendeu celulares com os quais eram feitas as transações, além de documentos. A investigação mostra que foram abertas duas contas com os dados de Neymar, e uma delas era usada para receber o auxílio emergencial.

Leia também

O dinheiro recebido na conta falta em nome de Luciano Hang foi transferido para a conta em nome de Neymar nos meses de abril e maio. Além de ter uma conta em nome do jogador do PSG, o suspeito também tinha uma Carteira Nacional de Habilitação em nome de Neymar.

O homem também tentou usar o nome de Paulo Guedes para conseguir o auxílio emergencial. De acordo com o G1, o suspeito recebeu também o benefício em nome de uma mulher, cadastrada como mãe solteira. Ele, então, recebeu pagamento no valor de R$ 1.200 em abril e maio. No total, com as contas fraudulentas, ele conseguiu receber R$ 5.400.

A Polícia Federal, no entanto, acredita que possa haver mais dinheiro recebido que ainda não foi descoberto.

Se as denúncias foram comprovadas, o investigado poderá responder pelos crimes de estelionato majorado, falsificação de documento público, uso de documento falso e organização criminosa.