Mercado abrirá em 7 h 14 min
  • BOVESPA

    108.376,35
    -737,80 (-0,68%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.006,11
    +197,55 (+0,44%)
     
  • PETROLEO CRU

    77,16
    -1,34 (-1,71%)
     
  • OURO

    1.630,40
    -5,80 (-0,35%)
     
  • BTC-USD

    18.771,41
    -1.317,61 (-6,56%)
     
  • CMC Crypto 200

    429,57
    -29,57 (-6,44%)
     
  • S&P500

    3.647,29
    -7,75 (-0,21%)
     
  • DOW JONES

    29.134,99
    -125,82 (-0,43%)
     
  • FTSE

    6.984,59
    -36,36 (-0,52%)
     
  • HANG SENG

    17.395,38
    -464,93 (-2,60%)
     
  • NIKKEI

    26.006,60
    -565,27 (-2,13%)
     
  • NASDAQ

    11.227,00
    -106,75 (-0,94%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1400
    -0,0199 (-0,39%)
     

Fraqueza do yuan representa problemas para outros emergentes

(Bloomberg) -- Há apenas alguns meses, o yuan chinês reinava como refúgio dos mercados emergentes, protegendo investidores da turbulência da guerra e da inflação descontrolada.

Hoje, virou uma ameaça.

À medida que o crescimento vacila na segunda maior economia do mundo, sua moeda caiu para uma mínima de dois anos e parece destinada a mais perdas. Isso levou o Goldman Sachs a prever ondas de choque não apenas nas vizinhanças da China, mas também na África e na América Latina. Um yuan mais fraco deixa as exportações de outras nações mais caras e pode provocar desvalorizações competitivas.

“Com o yuan se enfraquecendo ainda mais, outros mercados emergentes enfrentarão pressão de queda em suas moedas”, disse Per Hammarlund, estrategista-chefe de mercados emergentes do Skandinaviska Enskilda Banken. “O impacto será mais sentido pelas nações que competem diretamente com a China nas exportações.”

O yuan se enfraqueceu por um sexto mês consecutivo em agosto, a mais longa sequência mensal de queda desde o auge da guerra comercial liderada pelos EUA em outubro de 2018. A moeda cairá ainda mais e cruzará a marca psicológica de 7 por dólar este ano, disseram bancos como Société Générale, Nomura e Bank of America.

É uma reversão impressionante para uma moeda que havia se destacado por sua resistência diante da guerra da Rússia na Ucrânia. Nos dias que se seguiram à invasão de 24 de fevereiro, o yuan foi a única moeda de mercados emergentes a evitar uma desvalorização. A demanda global pelo yuan se aprofundou à medida que países como Rússia e Arábia Saudita buscavam reduzir sua dependência do dólar e investidores em títulos buscavam novos refúgios.

Mas no mês passado, o sentimento se inverteu. A política de Covid Zero da China, a crise imobiliária e a desaceleração do crescimento alimentam uma fuga de capital estrangeiro. O banco central da China tentou resistir à depreciação e fixou sua taxa de câmbio de referência em um nível mais forte do que o esperado pela nona sessão consecutiva, mas a força do dólar mina esta tática defensiva.

Um yuan mais fraco tem repercussões amplas para mercados emergentes, que já sofrem dois anos de inflação elevada, nervosismo com o aperto monetário do Federal Reserve e a perspectiva de recessão nos principais mercados ocidentais.

A moeda chinesa, com o seu peso de 30% no MSCI Emerging Markets Currency Index, empurra o indicador para o pior ano desde 2015. A correlação de 120 dias do yuan com pares de emergentes paira perto do nível mais alto em dois anos, ressaltando seu impacto.

More stories like this are available on bloomberg.com

©2022 Bloomberg L.P.