Mercado fechado
  • BOVESPA

    120.348,80
    -3.132,20 (-2,54%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.892,28
    -178,62 (-0,39%)
     
  • PETROLEO CRU

    52,04
    -0,32 (-0,61%)
     
  • OURO

    1.827,70
    -2,20 (-0,12%)
     
  • BTC-USD

    36.011,72
    +1.011,05 (+2,89%)
     
  • CMC Crypto 200

    701,93
    -33,21 (-4,52%)
     
  • S&P500

    3.768,25
    -27,29 (-0,72%)
     
  • DOW JONES

    30.814,26
    -177,24 (-0,57%)
     
  • FTSE

    6.735,71
    -66,25 (-0,97%)
     
  • HANG SENG

    28.573,86
    +76,96 (+0,27%)
     
  • NIKKEI

    28.519,18
    -179,12 (-0,62%)
     
  • NASDAQ

    12.759,00
    -43,25 (-0,34%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3926
    +0,0791 (+1,25%)
     

Franklin Templeton redobra aposta em títulos de emergentes

Ben Bartenstein
·2 minuto de leitura

(Bloomberg) -- Títulos de dívida de mercados emergentes são o investimento de curto prazo mais atraente no mercado de renda fixa, segundo a Franklin Templeton Investments.

A classe de ativos atrairá fluxos em meio à busca de gestores por retornos positivos quando muitos títulos de países desenvolvidos têm rendimentos baixos ou mesmo negativos, de acordo com relatório da equipe de investidores liderada por Sonal Desai. A empresa com sede em San Mateo, Califórnia, disse que prefere países cuja dinâmica política garante acesso a financiamento de emergência, já que a pandemia persiste.

“O suporte técnico para mercados emergentes permanece forte, o que provavelmente compensará o impacto negativo da deterioração dos fundamentos”, escreveu Desai, diretora de investimentos para renda fixa da Templeton.

Além dos títulos soberanos, a gestora de ativos também está otimista quanto às perspectivas para a dívida corporativa de mercados emergentes. Empresas têm buscado financiamento principalmente para refinanciar dívidas caras e de curto prazo, e não para investimentos, de acordo com a gestora.

A Templeton faz parte de um grupo de investidores que apostam em ganhos para títulos de mercados emergentes em um cenário de estímulo global, distribuição de vacinas e queda do dólar. No mês passado, a BlackRock elevou a recomendação para a dívida de mercados emergentes para neutra, enquanto empresas como PGIM Fixed Income, Algebris Investments e Pictet Asset Management também destacaram oportunidades.

“Embora muitos ativos de risco já tenham precificado a recuperação, ao longo dos próximos 12 meses prevemos que os ativos de risco devem ter desempenho superior aos ativos de governos”, devido à forte demanda diante de um ambiente de juros baixos no longo prazo e ganhos limitados para ativos livres de risco, escreveu Desai.

For more articles like this, please visit us at bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2021 Bloomberg L.P.