Mercado abrirá em 19 mins
  • BOVESPA

    95.368,76
    -4.236,78 (-4,25%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    37.393,71
    -607,60 (-1,60%)
     
  • PETROLEO CRU

    35,90
    -1,49 (-3,99%)
     
  • OURO

    1.876,60
    -2,60 (-0,14%)
     
  • BTC-USD

    13.139,42
    -23,97 (-0,18%)
     
  • CMC Crypto 200

    259,87
    -12,82 (-4,70%)
     
  • S&P500

    3.271,03
    -119,65 (-3,53%)
     
  • DOW JONES

    26.519,95
    -943,24 (-3,43%)
     
  • FTSE

    5.583,90
    +1,10 (+0,02%)
     
  • HANG SENG

    24.586,60
    -122,20 (-0,49%)
     
  • NIKKEI

    23.331,94
    -86,57 (-0,37%)
     
  • NASDAQ

    11.207,25
    +74,50 (+0,67%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7123
    -0,0221 (-0,33%)
     

Francesa Voltalia vende fatia em parque eólico no Rio Grande do Norte para fundo Stoa

·2 minutos de leitura

SÃO PAULO (Reuters) - A elétrica francesa Voltalia anunciou nesta quinta-feira a venda de uma fatia de 33% em seu parque eólico Ventos Serra do Mel III, no Rio Grande do Norte, para o fundo de investimentos em infraestrutura Stoa.

O complexo envolvido no negócio, que terá 152 megawatts em capacidade e está atualmente em construção, fechou a venda da produção futura à elétrica mineira Cemig em contratos de 20 anos, disse a Voltalia em comunicado.

O empreendimento no Nordeste será equipado com turbinas eólicas da Siemens Gamesa, com 3,5 megawatts cada, enquanto a WEG e a Seta Engenharia farão o balanço elétrico do parque, que terá a construção civil a cargo da DoisA Engenharia, segundo a empresa.

"As primeiras turbinas eólicas devem ser concluídas durante o quarto trimestre de 2020, com a operação a plena carga sendo atingida no segundo trimestre de 2021", disse a companhia, que manterá uma fatia de 57% nos empreendimentos.

Os parques ainda têm 10% de participação de um parceiro local não identificado.

A Stoa é um fundo de investimento francês especializado em projetos de infraestrutura em países em desenvolvimento e emergentes. Esse é o primeiro projeto do fundo na América Latina, após negociações iniciadas com a Voltalia ainda no ano passado.

"Essa parceria é uma boa ilustração de nossa estratégia, que mira o desenvolvimento de um grande volume de projetos competitivos com a ideia de trazer outros investidores para dentro, por meio de parcerias de longo prazo ou vendas", comentou, em nota, o CEO da Voltalia, Sébastien Clerc.

O valor do negócio não foi informado em nota.

Em agosto, por exemplo, a empresa já havia anunciado um negócio nessa linha, que envolve a construção e operação de um parque eólico no Rio Grande do Norte que fornecerá toda produção à multinacional japonesa Toda.

(Por Luciano Costa)