Mercado fechado
  • BOVESPA

    99.605,54
    -1.411,42 (-1,40%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    38.001,31
    -244,55 (-0,64%)
     
  • PETROLEO CRU

    38,82
    -0,75 (-1,90%)
     
  • OURO

    1.907,20
    -4,70 (-0,25%)
     
  • BTC-USD

    13.639,75
    -40,99 (-0,30%)
     
  • CMC Crypto 200

    270,32
    +9,03 (+3,46%)
     
  • S&P500

    3.390,68
    -10,29 (-0,30%)
     
  • DOW JONES

    27.463,19
    -222,19 (-0,80%)
     
  • FTSE

    5.728,99
    -63,02 (-1,09%)
     
  • HANG SENG

    24.787,19
    -131,59 (-0,53%)
     
  • NIKKEI

    23.485,80
    -8,54 (-0,04%)
     
  • NASDAQ

    11.530,75
    -57,25 (-0,49%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7181
    +0,0776 (+1,17%)
     

França vai cobrar imposto das big techs até o fim do ano

ANA ESTELA DE SOUSA PINTO
·2 minutos de leitura

BRUXELAS, BÉLGICA (FOLHAPRESS) - A França vai começar a cobrar imposto das companhias de tecnologia americanas ainda neste ano, anunciou o ministro das Finanças do país, Bruno Le Maire, nesta quarta (14). O país havia aprovado um tributo sobre as chamadas big techs (como Google, Amazon, Facebook, Apple) em julho de 2019, mas concordou em janeiro em suspender a cobrança à espera de um projeto global, que deveria ser lançado neste semestre pela OCDE (organização que reúne 38 países dentre os mais desenvolvidos). Nesta semana, porém, a entidade anunciou que sua proposta ainda está sendo construída e não será anunciada antes de 2021. O principal obstáculo é a oposição dos Estados Unidos contra a mudança, já que ela acarretaria perda de arrecadação. A pressão dos EUA, que ameaçou retaliação comercial contra produtos de luxo franceses, foi um dos motivos para que a França colocasse em pausa sua cobrança. O projeto da OCDE tem dois pilares. O primeiro é a cobrança de tributo onde o serviço é prestado: por exemplo, se um brasileiro compra uma TV no site da Amazon, ela pagaria o imposto no Brasil, e não em sua sede, nos EUA. O segundo pilar é a criação de uma taxa digital global sobre transações digitais. Apesar do risco de retaliação americana, o governo francês afirmou que sempre deixou claro que cobraria o imposto nacional se não houvesse acordo na OCDE neste semestre. Além da França, Espanha, Itália e Reino Unido defendem a criação do tributo digital, e a Comissão Europeia (Poder Executivo da UE) já afirmou que essa seria uma das fontes de renda para a reconstrução da economia afetada pela pandemia. Em junho, quando os EUA anunciaram que abandonariam as negociações sobre o tributo na OCDE, o porta-voz da Comissão para assuntos tributários, Daniel Ferrie, afirmou que, se o trabalho da organização não chegasse a uma conclusão, a UE faria sua própria proposta até o final deste ano. Com o impasse nas negociações da OCDE, a expectativa agora é que o bloco europeu retome os planos de seu próprio imposto digital no próximo semestre. Ainda neste ano, a UE pretende divulgar duas propostas de nova regulação de serviços digitais que focam as gigantes americanas, segundo a responsável por concorrência na Comissão Europeia, a vice-presidente-executiva Margrethe Vestager: uma Nova Ferramenta de Concorrência (NCT) e a Lei de Serviços Digitais (DSA). As big techs enfrentam várias investigações na Europa, por abuso de concorrência, sob suspeita de favorecer seus próprios serviços em suas plataformas e de vincular o uso de seus aplicativos em sistemas operacionais. Essas práticas seriam proibidas na nova legislação.