Mercado fechará em 3 h 50 min
  • BOVESPA

    118.702,41
    +1.321,91 (+1,13%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.784,45
    -342,06 (-0,76%)
     
  • PETROLEO CRU

    52,85
    +0,08 (+0,15%)
     
  • OURO

    1.854,30
    -0,90 (-0,05%)
     
  • BTC-USD

    31.501,23
    -867,06 (-2,68%)
     
  • CMC Crypto 200

    632,95
    -14,37 (-2,22%)
     
  • S&P500

    3.857,21
    +1,85 (+0,05%)
     
  • DOW JONES

    31.017,98
    +57,98 (+0,19%)
     
  • FTSE

    6.658,60
    +19,75 (+0,30%)
     
  • HANG SENG

    29.391,26
    -767,75 (-2,55%)
     
  • NIKKEI

    28.546,18
    -276,11 (-0,96%)
     
  • NASDAQ

    13.479,75
    +4,25 (+0,03%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5416
    -0,0946 (-1,43%)
     

França não descarta terceiro 'lockdown' se situação epidêmica da covid se agravar

·2 minuto de leitura
Trabalhadores abrem uma caixa da primeira remessa de vacinas da Pfizer-BioNTech na farmácia central AP-HP nos arredores de Paris, 26 de dezembro de 2020

A França não descarta determinar um terceiro 'lockdown' se a situação epidêmica se agravar, advertiu o ministro da Saúde francês, Olivier Véran, em entrevista ao jornal Journal du Dimanche, por ocasião do início da campanha de vacinação contra a covid-19 no domingo.

"Não descartamos nunca medidas que poderiam ser necessárias para proteger a população. Isto não quer dizer que o tenhamos decidido, mas estamos observando a situação a cada hora", declarou o ministro.

As autoridades temem que nas próximas semanas ocorra uma terceira onda de contágios, logo após as festas de fim de ano.

E mais ainda levando-se em conta que a circulação do vírus permanece alta, com "15.000 contágios detectados, em média, a cada dia, enquanto tínhamos baixado para 11.000", admitiu Véran na entrevista.

"O objetivo dos 5.000 [casos diários] se distancia. E a pressão no sistema de saúde continua sendo importante, com 1.500 entradas diárias, uma tensão que diminui muito pouco nos serviços de terapia intensiva", destacou o ministro, que se disse disposto a tomar "as medidas necessárias se a situação se agravar".

Vários países já tomaram medidas para retomar o confinamento, mas a França "decidiu [adotar] medidas estritas e difíceis antes para deixar os franceses respirarem durante as festas", declarou o ministro. E embora isto "tenha funcionado, é verdade que não [foi] o suficiente", com mais de 40.000 casos de covid-19 registrados em 48 horas (na quinta e na sexta-feira).

Neste sábado, foram registrados apenas 3.093 casos, mas muitos laboratórios estavam fechados por causa do feriado do Natal.

"Saberemos rapidamente se as reuniões familiares e festivas terão um impacto", afirmou Véran, que aconselhou aos franceses se absterem de comemorar a chegada do Ano Novo. 

"Não podemos, por uma noite, nos arriscar a bloquear o país inteiro de novo durante semanas", disse.

No domingo começa a campanha de vacinação na França. As primeiras vacinas serão aplicadas em residentes de dois lares para idosos em Sevran, perto de Paris, e em Dijon, no leste do país.

may/bds/jvb/lda/mvv