Mercado abrirá em 9 h 53 min
  • BOVESPA

    128.405,35
    +348,35 (+0,27%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.319,57
    +116,77 (+0,23%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,28
    +0,64 (+0,89%)
     
  • OURO

    1.775,90
    +6,90 (+0,39%)
     
  • BTC-USD

    35.108,73
    -408,94 (-1,15%)
     
  • CMC Crypto 200

    871,18
    -68,76 (-7,32%)
     
  • S&P500

    4.166,45
    -55,41 (-1,31%)
     
  • DOW JONES

    33.290,08
    -533,32 (-1,58%)
     
  • FTSE

    7.017,47
    -135,96 (-1,90%)
     
  • HANG SENG

    28.493,41
    -307,86 (-1,07%)
     
  • NIKKEI

    27.980,87
    -983,21 (-3,39%)
     
  • NASDAQ

    14.010,75
    -24,25 (-0,17%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,0383
    +0,0022 (+0,04%)
     

França multa Google em € 220 milhões por publicidade on-line

·2 minuto de leitura
A autoridade (reguladora francesa) constatou que o Google deu tratamento preferencial a suas tecnologias apresentadas sob a marca Google Ad Manager

A agência reguladora para a concorrência na França anunciou, nesta segunda-feira (7), uma multa de 220 milhões de euros (267,37 milhões de dólares) contra o Google, por considerar a empresa culpada de favorecer os seus próprios serviços no setor de publicidade on-line, um novo golpe na Europa contra os gigantes americanos de tecnologia.

Google "não questionou os fatos" e a multa foi decidida no âmbito de um procedimento de acordo amigável com os três meios de comunicação (News Corp, o jornal francês Le Figaro e o grupo Rossel da Bélgica) que o acusaram de ter monopolizado a venda de publicidade on-line. Le Figaro se retirou depois.

"A autoridade (reguladora francesa) constatou que o Google deu tratamento preferencial a suas tecnologias apresentadas sob a marca Google Ad Manager", indicou o organismo.

"As práticas questionadas são particularmente graves porque afetaram os concorrentes do Google no mercado das SSP (plataformas nas quais os editores colocam à venda seus espaços publicitários) e os editores de sites e aplicativos móveis", entre eles as editoras de imprensa.

O processo atinge a chamada "publicidade programática", em que os anunciantes compram em tempo real o direito de colocar a sua publicidade nas telas dos internautas com base no seu perfil.

Os anunciantes compram esses espaços por meio de plataformas automatizadas de leilão, incluindo a do Google, um ator dominante neste setor.

A gigante americana também está presente em outros segmentos desse mercado, como os servidores de anúncios, que permitem às editoras colocar espaços à venda nas plataformas de leilões.

O Google usou sua "integração vertical" para "distorcer o processo" e "aproveitá-lo de forma indevida", explicou a presidente do regulador francês, Isabelle de Silva, em entrevista coletiva.

Por exemplo, o Google é capaz de descobrir, por meio de seus servidores de publicidade instalados em sites de editoras, o preço das plataformas de leilão concorrentes e oferecer taxas mais atraentes, disse Isabelle.

Por sua vez, o Google indicou que tinha acordado com este órgão regulador algumas soluções para melhorar o funcionamento do mercado de publicidade online.

"Vamos testar e desenvolver essas modificações nos próximos meses antes de implementá-las de forma mais ampla, algumas em escala global", declarou Maria Gomri, diretora jurídica do Google na França, no blog da empresa.

Alphabet, a matriz do Google, teve um volume de negócios de 55,31 bilhões de dólares no primeiro trimestre de 2021, em sua maioria graças à publicidade on-line.

As práticas da empresa são objeto de investigação por parte das autoridades de vários países.

lby/js/sjw/mar/zm/fp

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos