Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.113,93
    +413,26 (+0,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.726,98
    +212,88 (+0,44%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,07
    -0,39 (-0,61%)
     
  • OURO

    1.777,30
    +10,50 (+0,59%)
     
  • BTC-USD

    57.403,55
    -4.845,89 (-7,78%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.398,97
    +7,26 (+0,52%)
     
  • S&P500

    4.185,47
    +15,05 (+0,36%)
     
  • DOW JONES

    34.200,67
    +164,68 (+0,48%)
     
  • FTSE

    7.019,53
    +36,03 (+0,52%)
     
  • HANG SENG

    28.969,71
    +176,57 (+0,61%)
     
  • NIKKEI

    29.683,37
    +40,68 (+0,14%)
     
  • NASDAQ

    14.024,00
    +10,00 (+0,07%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6943
    -0,0268 (-0,40%)
     

França investiga nova variante do coronavírus que pode escapar do teste RT-PCR

Fidel Forato
·2 minuto de leitura

No combate ao coronavírus SARS-CoV-2, pesquisadores e autoridades de saúde alertam para a descoberta de novas variantes e o potencial risco das mutações no agente infeccioso. Agora, os franceses investigam uma nova cepa do vírus da COVID-19 que pode escapar de testes RT-PCR, o exame considerado padrão-ouro na pandemia. Os casos infectados pela nova variante só receberam o diagnóstico após testes sorológicos e análise de matéria biológica.

A variante francesa do coronavírus foi detectada durante um surto da infecção atendido no hospital de Lannion, na Bretanha, em Côtes-d'Armor. Diante da descoberta, os cientistas do país pesquisam se a variante é mais infecciosa ou mortal do que as outras.

Variante francesa do coronavírus pode escapar do teste RT-PCR, segundo análises iniciais (Imagem: Reprodução/ Wirestock/ Freepik)
Variante francesa do coronavírus pode escapar do teste RT-PCR, segundo análises iniciais (Imagem: Reprodução/ Wirestock/ Freepik)

Nova variante do coronavírus na França

No hospital francês, estavam sendo atendidos 79 pacientes suspeitos ou infectados pela COVID-19. No entanto, oito casos desse grupo apresentavam sintomas da doença, como infecções pulmonares graves, mas os resultados de sucessivos testes RT-PCR realizados foram negativos para a infecção do coronavírus.

A partir desses resultados, a equipe do local precisou realizar testes sorológicos e coleta de matéria biológica nos pulmões — uma intervenção mais demorada e invasiva — para confirmar os casos. Agora, os cientistas do Instituto Pasteur investigam se a variante francesa, que acumula nove mutações genéticas do coronavírus ancestral, é mais resistente à vacinação ou se possui uma tendência mais infecciosa e mortal.

“Está em curso uma avaliação para apurar o possível impacto dessas modificações genéticas na incapacidade de reconhecimento por testes virológicos, o que conduz a um subdiagnóstico e que poderá interferir na estratégia de rastreamento atualmente em vigor”, apontou a Direction Génerale de la Santé (DGS) em nota. A DGS também orienta que todos os casos contaminados pela nova variante, tanto prováveis quanto confirmados, “devem ser submetidos a um isolamento estrito durante um período de dez dias”.

Pandemia da COVID-19 na França

Em paralelo a essa descoberta da nova variante, casos do coronavírus apresentam nova alta na França, principalmente no entorno da capital Paris. Na segunda-feira (15), o país registrou 333 novos óbitos e 6,47 mil novos casos em todo o território. No total, são mais de quatro milhões de casos e 90,78 mil mortes desde o início da pandemia. Atualmente, estão internadas mais de 25 mil pessoas no país, sendo que 4,21 mil dependem de cuidados intensivos.

Novas medidas para o contingenciamento e pela queda na taxa de contágio devem ser adotadas nos próximos dias. “Vamos ter de tomar novas decisões nos próximos dias, sem dúvida”, afirmou o presidente francês, Emmanuel Macron, na segunda-feira (15).

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: