Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.183,95
    -355,84 (-0,32%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.377,47
    +695,28 (+1,52%)
     
  • PETROLEO CRU

    61,26
    +1,51 (+2,53%)
     
  • OURO

    1.713,40
    -20,20 (-1,17%)
     
  • BTC-USD

    50.820,73
    +3.268,19 (+6,87%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.016,61
    +28,52 (+2,89%)
     
  • S&P500

    3.819,72
    -50,57 (-1,31%)
     
  • DOW JONES

    31.270,09
    -121,43 (-0,39%)
     
  • FTSE

    6.675,47
    +61,72 (+0,93%)
     
  • HANG SENG

    29.880,42
    +784,56 (+2,70%)
     
  • NIKKEI

    29.559,10
    +150,93 (+0,51%)
     
  • NASDAQ

    12.673,75
    -381,50 (-2,92%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7782
    -0,0839 (-1,22%)
     

França estuda condições para aprovar acordo com Mercosul, diz jornal

ANA ESTELA DE SOUSA PINTO
·2 minuto de leitura

BRUXELAS, BELGICA (FOLHAPRESS) - O Ministério do Comércio francês vai propor nesta quinta (4) ao Comitê de Acompanhamento da Política Comercial do país que um caminho para aceitar a ratificação do acordo de associação entre a União Europeia e o Mercosul é garantir antes a aprovação de compromissos contra o desmatamento e o aquecimento global. A afirmação é do jornal francês Le Monde, que diz ter tido acesso à proposta. Na última semana, em debate no Fórum Econômico Mundial, o ministro do Comércio da França, Franck Riester, declarou que estava "tentando achar uma solução que assegure que o aumento do comércio com o Mercosul não vai elevar a importação de desmatamento". O Comitê de Acompanhamento da Política Comercial da França é formado por representantes eleitos, sindicatos e ONGs. O governo francês tem priorizado declarações e medidas voltadas à proteção ambiental, tema de importância crescente entre os eleitores do país. Analistas e negociadores têm dito que a tramitação do acordo com o Mercosul será muito difícil antes das eleições francesas de 2022. Em setembro do ano passado, o primeiro-ministro francês, Jean Castex, afirmou que o acordo não seria aprovado "do jeito que está", argumentando que o aumento da demanda de carne bovina elevaria em 5% o desmatamento no Brasil nos seis anos seguintes à sua implantação. No documento do Ministério do Comércio, segundo o Le Monde, em vez de abandonar o acordo ou exigir sua renegociação (o que equivaleria a voltar à estaca zero), o governo sugere opções como a aprovação da lei europeia de combate à importação de desmatamento, a criação de um sistema de rastreabilidade de produtos animais e vegetais, a retirada por países do Mercosul de "reformas com efeitos particularmente nocivos para a floresta " e o fortalecimento dos compromissos assumidos pelos países do bloco sul-americano. Em entrevista à Folha, o presidente da comissão de ambiente do Parlamento Europeu, o também francês Pascal Canfin, afirmou que a lei que barra a importação de desmatamento deve ser aprovada em 2022. Na semana passada, em entrevista ao jornal português Público, ele afirmou que o acordo com o Mercosul não avançará sem medidas juridicamente vinculativas. "O Parlamento não tem nenhuma intenção de passar um cheque em branco ao Brasil sobre a Amazônia". Segundo Canfin, é preciso ir além da atual estratégia da Comissão Europeia, que estuda apresentar um "instrumento comum interpretativo", em que os dois lados reafirmam compromissos com pontos mais sensíveis politicamente. "Tenho a certeza que uma declaração interpretativa e cosmética não chega", afirmou o eurodeputado ao Público.