Mercado fechará em 5 h 27 min
  • BOVESPA

    107.569,12
    +1.272,94 (+1,20%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.889,66
    -130,44 (-0,25%)
     
  • PETROLEO CRU

    85,09
    +1,33 (+1,59%)
     
  • OURO

    1.804,60
    +8,30 (+0,46%)
     
  • BTC-USD

    63.316,18
    +2.644,23 (+4,36%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.505,15
    +1.262,47 (+520,22%)
     
  • S&P500

    4.554,22
    +9,32 (+0,21%)
     
  • DOW JONES

    35.718,70
    +41,68 (+0,12%)
     
  • FTSE

    7.227,22
    +22,67 (+0,31%)
     
  • HANG SENG

    26.132,03
    +5,10 (+0,02%)
     
  • NIKKEI

    28.600,41
    -204,44 (-0,71%)
     
  • NASDAQ

    15.400,00
    +59,00 (+0,38%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5235
    -0,0573 (-0,87%)
     

França começa a suspender enfermeiro que não se vacina contra Covid

·2 minuto de leitura
*ARQUIVO* SÃO PAULO, SP - 17.05.2021 -Vacinação contra covid em São Paulo.  (Foto: Danilo Verpa/Folhapress)
*ARQUIVO* SÃO PAULO, SP - 17.05.2021 -Vacinação contra covid em São Paulo. (Foto: Danilo Verpa/Folhapress)

BRUXELAS, BÉLGICA (FOLHAPRESS) - O governo francês anunciou nesta quinta (16) a suspensão de cerca de 3.000 funcionários de saúde e cuidadores que não se vacinaram contra Covid. A imunização foi tornada obrigatória para esses profissionais em julho, e o prazo para a categoria se esgotou nesta quarta (15).

Embora o número represente cerca de 0,4% dos 2,7 milhões de trabalhadores nessa área no país, o Sindicato Nacional dos Profissionais de Enfermagem (SNPI) afirmou que suspensões podem agravar uma falta de mão de obra que já deixa 10% das vagas desocupadas.

Pelos números da Saúde Pública da França, até 7 de setembro 16% dos cuidadores de asilos e funcionários de hospitais ainda não haviam cumprido a exigência. Entre os clínicos gerais e enfermeiros autônomos, a fatia de não imunizados é de 9%.

Isso significa que, no total, que cerca de 150 mil servidores podem ser passíveis de suspensão, durante a qual não podem frequentar os locais de trabalho e deixam de ser remunerados.

Em entrevista à rádio francesa RTL na manhã desta quinta, o ministro da Saúde, Olivier Véran, afirmou que os serviços de saúde estão assegurados "em todos os hospitais e instalações médico-sociais" e que a maioria das suspensões deve ser temporária.

A vacinação compusória para profissionais de saúde foi uma das medidas do pacote do governo francês para conter o avanço da variante delta.

A medida também foi adotada em países como Itália, Hungria e Grécia, e está em discussão no Reino Unido.

A França também tornou obrigatória a apresentação de um certificado de vacinação para frequentar restaurantes, bares e espaços culturais, o que desencadeou protestos em várias cidades, mas fez também subir o número de doses aplicadas no país.

Cerca de 85% dos franceses adultos tomaram todas as doses prescritas contra o coronavírus, e o país iniciou a imunização de crianças a partir de 12 anos e a aplicação de uma dose extra para os cidadãos vulneráveis.

Há hoje na França cerca de 10.800 pacientes hospitalizados com Covid, pouco mais de um terço dos 30.800 registrados no pico de abril deste ano, mas mais que o dobro dos 4.500 de agosto do ano passado.

O país registra atualmente 9.800 novos casos de infecção por dia, em média, contra 24.600 há um mês.

SAIBA ONDE E PARA QUEM A VACINAÇÃO É OBRIGATÓRIA

Para todos os adultos

Indonésia, Micronésia, Turcomenistão

Para profissionais de saúde

Itália, França, Grécia, Hungria, Fiji; Reino Unido estuda a adoção

Para funcionários de asilos

Austrália, Grécia, Reino Unido (a partir de outubro), parte do Canadá

Para funcionários de locais de quarentena

Austrália

Para funcionários públicos

Rússia, Canadá, Fiji, alguns estados dos EUA

Para pessoas de alto risco

Polônia (em estudo)

Em casas noturnas ou locais com grandes multidões

Reino Unido

Em locais fechados como cinemas e teatros

Grécia, alguns locais dos EUA

Para passageiros de avião, trem e navio de cruzeiro

Canadá

Para todo estrangeiro que entrar no país

Malta

Fonte: Reuters

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos