Mercado fechado
  • BOVESPA

    120.348,80
    -3.131,73 (-2,54%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.892,28
    -178,63 (-0,39%)
     
  • PETROLEO CRU

    52,04
    -1,53 (-2,86%)
     
  • OURO

    1.827,70
    -23,70 (-1,28%)
     
  • BTC-USD

    36.656,75
    -1.181,89 (-3,12%)
     
  • CMC Crypto 200

    701,28
    -33,86 (-4,61%)
     
  • S&P500

    3.768,25
    -27,29 (-0,72%)
     
  • DOW JONES

    30.814,26
    -177,26 (-0,57%)
     
  • FTSE

    6.735,71
    -66,25 (-0,97%)
     
  • HANG SENG

    28.573,86
    +77,00 (+0,27%)
     
  • NIKKEI

    28.519,18
    -179,08 (-0,62%)
     
  • NASDAQ

    12.759,00
    -142,00 (-1,10%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3926
    +0,0791 (+1,25%)
     

França aperta controles de fronteira e estende toque de recolher pelo coronavírus

María Elena BUCHELI
·3 minuto de leitura
O famoso bar Au Chat Noir em Paris fechado após novas medidas de restrição sanitária devido ao coronavírus

A França exigirá um teste de covid-19 negativo de todos os viajantes de fora da União Europeia e imporá um toque de recolher nacional às 18h, mas o governo descartou um novo confinamento nesta quinta-feira (14).

"Vamos endurecer as condições de entrada no país e apertar os controles de fronteira" para "evitar" que a variante do vírus "se espalhe", anunciou o primeiro-ministro francês, Jean Castex, em entrevista coletiva.

A partir de segunda-feira, todos os viajantes que desejarem ir para a França de fora da UE "terão que apresentar um teste negativo para entrar em um avião ou navio", disse ele.

A França já exigia um teste negativo para viajantes do Reino Unido, onde uma variante altamente contagiosa do vírus está circulando ativamente.

As pessoas que não puderem fazer o teste em seu país de origem terão a opção de fazê-lo na chegada à França e serão obrigadas a "se isolar por 7 dias em um hotel designado pelo Estado".

Para viagens dentro da UE, "e em particular de países como a Irlanda ou a Dinamarca, que enfrentam uma situação de epidemia difícil, os ministros trabalharão na elaboração de um quadro de coordenação com vistas ao próximo Conselho Europeu de 21 de janeiro", disse Castex.

"Essa estrutura deve obviamente prever exceções relacionadas a trabalhadores de fronteira, transportadores rodoviários ou agentes de empresas de transporte", com "protocolos de saúde específicos", disse ele.

- Novo confinamento? -

Ao mesmo tempo, para tentar conter os contágios, o governo vai impor o toque de recolher nacional a partir das 18h, a partir de sábado, e por pelo menos 15 dias.

"Salvo exceções relacionadas a missões de serviço público, todos os locais, lojas ou serviços que recebem o público encerrarão às 18h", disse Castex. Embora as lojas estejam abertas, restaurantes, bares, museus e cinemas estão fechados há mais de dois meses.

A maioria dos franceses já estava sujeita a um toque de recolher entre 20h e 6h, imposto em meados de dezembro, quando o segundo confinamento nacional foi suspenso.

E, em 25 departamentos, especialmente no leste e sudeste, particularmente afetados pela pandemia, seus habitantes tiveram que ser retirados de suas casas a partir das 18h.

"Com base nos dados disponíveis até o momento, parece que essa medida é eficaz em termos de saúde: nos primeiros 15 departamentos onde o toque de recolher foi aplicado às 18h do dia 2 de janeiro, o aumento no número de novos casos é de 2 ou 3 vezes menos do que em outros departamentos", argumentou Castex.

Embora tenha descartado por enquanto um novo confinamento domiciliar para os 67 milhões de habitantes, Castex alertou que não hesitaria em tomar essa decisão em caso de "forte degradação da situação".

A França registrou na quarta-feira cerca de 23.000 novos casos de Covid-19, um número bem acima dos 5.000 casos definidos pelo governo para suspender as restrições.

Mais de 69.000 pessoas morreram de covid-19 na França desde março passado.

meb/age/ap/mvv