Mercado fechado
  • BOVESPA

    106.296,18
    -1.438,82 (-1,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.889,66
    -130,44 (-0,25%)
     
  • PETROLEO CRU

    84,18
    +0,42 (+0,50%)
     
  • OURO

    1.794,20
    -2,10 (-0,12%)
     
  • BTC-USD

    60.994,53
    -344,00 (-0,56%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.453,34
    -49,70 (-3,31%)
     
  • S&P500

    4.544,90
    -4,88 (-0,11%)
     
  • DOW JONES

    35.677,02
    +73,92 (+0,21%)
     
  • FTSE

    7.204,55
    +14,25 (+0,20%)
     
  • HANG SENG

    26.126,93
    +109,43 (+0,42%)
     
  • NIKKEI

    28.529,40
    -275,45 (-0,96%)
     
  • NASDAQ

    15.311,00
    -30,00 (-0,20%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5784
    -0,0024 (-0,04%)
     

Fracasso produtivo torna o aprendizado 2x mais rápido, mostra estudo

·3 minuto de leitura

Qual é a melhor forma de aprender um novo conteúdo? De forma geral, consideremos que é preciso conhecer primeiro a teoria e, em seguida, a prática. No entanto, um novo estudo suíço observou que esta regra não funciona tão bem na maioria das vezes. Inclusive, é mais provável que alguém aprenda melhor lidando, inicialmente, com as questões práticas e vivenciado o fracasso produtivo.

Publicado na revista científica Review of Educational Research, a metanálise — estudo que compara resultados de outras pesquisas sobre o tema — do Instituto Federal de Tecnologia de Zurique (ETHZ) analisou 53 estudos feitos anteriormente. Todas questionavam qual estratégia de aprendizagem é mais eficaz: instrução antes da prática ou vice-versa.

Fracasso produtivo pode ser boa alternativa para o ensino escolar, segundo pesquisa suíça (Imagem: Reprodução/Rido81/Envato)
Fracasso produtivo pode ser boa alternativa para o ensino escolar, segundo pesquisa suíça (Imagem: Reprodução/Rido81/Envato)

“Se você deseja obter resultados de aprendizagem ideais, é melhor resolver primeiro um problema que seja especificamente relevante para um tópico antes de explorar os princípios subjacentes”, afirma Manu Kapur, professor do ETHZ e um dos autores da metanálise. Nesses casos, o aprendizado ocorre através do conceito chamado de fracasso produtivo.

Entenda a pesquisa sobre a melhor forma de aprender

Durante o estudo, os pesquisadores investigaram o quão bem os estudantes em idade escolar e universitários compreendiam os conceitos das disciplinas de matemática, física, química, biologia e medicina. Além disso, buscaram avaliar se estes alunos conseguiam aplicar os conhecimentos, com sucesso. Vale observar que o estudo não considerou a habilidade de aprendizado de leitura ou de escrita e nem as ciências humanas, por isso, as descobertas podem ter um limite prático.

Quase metade (45%) dos alunos testados tinham entre 12 e 18 anos. Mais de um terço (37%) estava na universidade, e um em cada seis (15%) estava na escola primária (1º ao 5º ano do ensino fundamental). Além disso, quase metade (43%) dos alunos eram da América do Norte. Também foram contabilizados jovens da Europa (26%) e da Ásia (28%).

De acordo com os autores, todos os alunos obtiveram mais sucesso na aprendizagem quando tiveram que resolver exercícios e problemas antes que os conceitos exigidos fossem explicados. Essa vantagem foi ainda mais forte em alunos do ensino médio e universitários do que para alunos do ensino fundamental.

Alunos devem tentar a resolver um problema sozinhos(Imagem: Reprodução/Marco Fileccia/Unsplash)
Alunos devem tentar a resolver um problema sozinhos(Imagem: Reprodução/Marco Fileccia/Unsplash)

“Praticar antes de aprender a teoria é quase duas vezes mais eficiente do que receber um ano de instrução de um professor excelente”, explica o professor Kapur. Agora, se os alunos falham “produtivamente” durante o estágio de prática, seus resultados de aprendizagem são até três vezes melhores do que o que um bom professor pode alcançar em um ano de ensino, defende.

Como aplicar o fracasso produtivo na educação?

Para usar o fracasso produtivo como um aliado no ensino, os pesquisadores definem as 4 principais bases para o método de aprendizado. São elas:

  • O problema que será apresentado para os alunos deve ativar o máximo de conhecimento já adquirido possível. Isso porque a falha produtiva, segundo Kapur, “requer um certo conhecimento prévio". Se uma pessoa deseja resolver um problema estatístico, ela deve pelo menos estar familiarizada com os conceitos mais fundamentais, como a média;

  • Os alunos devem reconhecer o déficit entre o que eles fazem e o que ainda não sabem, o que aumentará a consciência de que mais conhecimento deve ser adquirido;

  • É preciso que os alunos estejam receptivos a novos conceitos e tenham interesse em resolver o problema. Para isso, a etapa anterior pode ser um excelente caminho;

  • Por fim, o educador deve trazer uma boa explicação, onde será conceituado e aplicado um novo conceito. Nesse momento, ele poderá demonstrar porque as soluções dos alunos não atingiram o objetivo.

“Os resultados da aprendizagem dependem do ensino de tal forma que todos esses quatro mecanismos desempenham um papel fundamental”, afirma Kapur. Isso é ainda mais forte quando os alunos lidam com problemas que podem ser apreendidos intuitivamente, mas para os quais ainda não têm o conhecimento necessário para resolvê-los.

Para acessar o estudo completo sobre a importância do fracasso produtivo na educação, clique aqui.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos