Mercado abrirá em 9 h 37 min
  • BOVESPA

    112.486,01
    +1.576,40 (+1,42%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.684,86
    +1.510,80 (+3,01%)
     
  • PETROLEO CRU

    80,40
    -0,15 (-0,19%)
     
  • OURO

    1.787,20
    +27,30 (+1,55%)
     
  • BTC-USD

    17.134,08
    +189,11 (+1,12%)
     
  • CMC Crypto 200

    406,26
    +5,57 (+1,39%)
     
  • S&P500

    4.080,11
    +122,48 (+3,09%)
     
  • DOW JONES

    34.589,77
    +737,24 (+2,18%)
     
  • FTSE

    7.573,05
    +61,05 (+0,81%)
     
  • HANG SENG

    18.942,44
    +345,21 (+1,86%)
     
  • NIKKEI

    28.268,24
    +299,25 (+1,07%)
     
  • NASDAQ

    12.045,25
    +3,00 (+0,02%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,3965
    0,0000 (0,00%)
     

Foxconn pede desculpa por erro em pagamento após revolta de trabalhadores na China

.

Por Yimou Lee e Brenda Goh

TAIPÉ/XANGAI (Reuters) - A Foxconn, uma fornecedora da Apple, disse nesta quinta-feira que ocorreu um "erro técnico" relacionado ao pagamento de funcionários na maior fábrica de iPhones do mundo, na China, e pediu desculpas aos trabalhadores depois que a unidade foi chacoalhada por protestos.

Homens quebraram câmeras de vigilância e entraram em confronto com o pessoal de segurança na quarta-feira, enquanto centenas de trabalhadores protestavam na fábrica na cidade de Zhengzhou. As raras cenas de dissidência pública na China foram provocadas por reclamações de pagamentos atrasados ​​e frustração com as severas restrições de Covid-19.

Em vídeos que circularam nas mídias sociais, os trabalhadores disseram ter sido informados de que a empresa pretendia atrasar o pagamento de bônus. Alguns também reclamaram que foram forçados a dividir dormitórios com colegas que testaram positivo para Covid-19.

"Nossa equipe está investigando o assunto e descobriu que ocorreu um erro técnico durante o processo de integração", disse a Foxconn em comunicado, referindo-se à contratação de novos funcionários.

"Pedimos desculpas por um erro de admissão no sistema de computador e garantimos que o pagamento real é o mesmo acordado nos cartazes oficiais de recrutamento", sem dar mais detalhes.

O pedido de desculpas foi uma reviravolta em relação ao dia anterior, quando a Foxconn disse que havia cumprido seus contratos de pagamento. A fábrica emprega mais de 200 mil trabalhadores e produz dispositivos incluindo iPhones 14 Pro e Pro Max. A planta fabrica cerca de 70% dos iPhones globalmente.

As revoltas de maior magnitude diminuíram e a empresa está se comunicando com funcionários envolvidos em protestos menores, disse à Reuters uma fonte da Foxconn familiarizada com o assunto nesta quinta-feira.

A empresa realizou "acordos iniciais" com os funcionários para resolver a disputa, enquanto a produção na fábrica continuava, afirmou a fonte.

A empresa taiwanesa disse que respeitará os desejos dos novos funcionários que quisessem se demitir e deixar a instalação da fábrica e oferecerá a eles "subsídios de assistência". Esses subsídios totalizam 10 mil yuans (1.400 dólares) por trabalhador, segundo a fonte.

A Apple disse que tinha funcionários na fábrica e estava "trabalhando em estreita colaboração com a Foxconn para garantir que as preocupações de seus trabalhadores sejam atendidas".

Vários acionistas ativistas disseram à Reuters que os protestos mostraram os riscos que a Apple enfrenta devido à sua dependência da fabricação na China.

"A extrema dependência da Apple da China, tanto como mercado (consumidor) quanto como local de fabricação primária, é uma situação muito arriscada", disse Christina O'Connell, gerente sênior da SumOfUs, um grupo de responsabilidade corporativa sem fins lucrativos.

(Reportagem adicional de Ross Kerber, Redação de Pequim e Yew Lun Tian)