Mercado fechará em 4 h 52 min
  • BOVESPA

    111.201,67
    -722,26 (-0,65%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.234,37
    -223,23 (-0,43%)
     
  • PETROLEO CRU

    82,41
    +2,43 (+3,04%)
     
  • OURO

    1.804,20
    -5,40 (-0,30%)
     
  • BTC-USD

    17.235,95
    +278,95 (+1,65%)
     
  • CMC Crypto 200

    408,29
    +6,86 (+1,71%)
     
  • S&P500

    4.071,70
    -4,87 (-0,12%)
     
  • DOW JONES

    34.429,88
    +34,88 (+0,10%)
     
  • FTSE

    7.587,28
    +31,05 (+0,41%)
     
  • HANG SENG

    19.518,29
    +842,94 (+4,51%)
     
  • NIKKEI

    27.820,40
    +42,50 (+0,15%)
     
  • NASDAQ

    11.924,50
    -85,75 (-0,71%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5321
    +0,0381 (+0,69%)
     

Foxconn admite erro no pagamento de funcionários em fábrica de iPhones

Depois de protestos violentos terem sido realizados na maior fábrica de iPhones do mundo, a Foxconn admitiu erros nos pagamentos dos funcionários. Em resposta ao portal Financial Times, a empresa descreveu a situação como um problema técnico.

“Nosso time está analisando o problema, e descobriu um erro técnico durante o processo de integração”

A integração citada diz respeito à contratação de novos trabalhadores com salários bônus, que não teriam sido pagos. Sobre isso, a Foxconn pediu desculpas pelo “erro no sistema computacional”, e garantiu que os pagamentos serão os mesmos que foram prometidos.

Foxconn se envolveu em crise nos últimos dias (Imagem: Divulgação/Foxconn)
Foxconn se envolveu em crise nos últimos dias (Imagem: Divulgação/Foxconn)

Para os funcionários que não desejam mais trabalhar na planta de Zhengzhou, a empresa ofereceu uma compensação monetária de 10 mil yuan — equivalentes a cerca de R$ 7.425 em conversão direta, algo entre um a dois meses de salário.

“O pagamento, destinado a cobrir o dinheiro devido a novos trabalhadores para sua quarentena, transporte até a fábrica e horas trabalhadas, foi oficialmente anunciado em avisos ao trabalhadores”

Desta forma, quem assinar seu desligamento receberá 8 mil yuan (~R$ 5.937) na hora, e os outros 2 mil yuan (~R$ 1.484) viriam após o embarque nos ônibus para casa.

A crise atingiu relevância suficiente para a Apple levar uma equipe própria até a fábrica. Oficialmente, a empresa afirmou que “está trabalhando em conjunto” com a Foxconn para garantir que as preocupações dos empregados sejam resolvidas.

Entenda o caso

As manifestações começaram no último dia 22 de novembro, motivadas pelo não pagamento de bônus prometidos a funcionários que permaneceram trabalhando após o início de um surto de covid-19 dentro da fábrica.

A rotina de produção após o início de um lockdown nas plantas teria se tornado insustentável. Relatos apontam que os funcionários não tinham comida ou suprimentos médicos suficientes, e não havia separação entre infectados e não infectados.

Enquanto isso, a Foxconn afirmava que a situação estava totalmente sob controle, ao mesmo tempo em que tornava as regras de trabalho mais rígidas. Em certo momento, a empresa precisou aumentar a oferta de bônus, pois a anterior já não persuadia os funcionários a ficarem.

Protestos foram motivados por falta de pagamento de bônus e condições precárias de trabalho (Imagem: Stephen McDonell)
Protestos foram motivados por falta de pagamento de bônus e condições precárias de trabalho (Imagem: Stephen McDonell)

Nas últimas semanas, o conflito escalou rapidamente por meio de violência física, tumultos e pessoas feridas. Janelas e câmeras de segurança também foram quebradas.

No momento, relatos apontam que a situação já estaria mais controlada que nos últimos dias. Mesmo assim, a Apple espera uma redução no ritmo de montagem de modelos como iPhone 14 Pro e iPhone 14 Pro Max, o que deve levar a um aumento nos prazos de entrega dos smartphones.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: