Mercado abrirá em 2 hs
  • BOVESPA

    108.402,27
    +1.930,27 (+1,81%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.354,86
    +631,46 (+1,35%)
     
  • PETROLEO CRU

    91,35
    +0,59 (+0,65%)
     
  • OURO

    1.809,00
    +3,80 (+0,21%)
     
  • BTC-USD

    23.405,91
    -672,30 (-2,79%)
     
  • CMC Crypto 200

    543,95
    +1,07 (+0,20%)
     
  • S&P500

    4.140,06
    -5,13 (-0,12%)
     
  • DOW JONES

    32.832,54
    +29,04 (+0,09%)
     
  • FTSE

    7.479,95
    -2,42 (-0,03%)
     
  • HANG SENG

    20.003,44
    -42,33 (-0,21%)
     
  • NIKKEI

    27.999,96
    -249,28 (-0,88%)
     
  • NASDAQ

    13.106,00
    -77,25 (-0,59%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2309
    +0,0215 (+0,41%)
     

Foto do Hubble mostra duas galáxias espirais em conjunção, não em colisão

·2 min de leitura

Uma imagem registrada pelo Telescópio Espacial Hubble revela uma conjunção entre duas galáxias. A galáxia espiral NGC 105, localizada a 215 milhões de anos-luz da Terra, parece estar em uma colisão inevitável com sua galáxia vizinha, mas, na verdade, essa impressão não passa do alinhamento casual de suas posições no céu.

A galáxia NGC 105, descoberta em 1884 pelo astrônomo francês Édouard Stephan, está localizada em direção a constelação de Peixes e possui 83.700 anos-luz de diâmetro.

Embora a outra galáxia mais alongada, a LEDA 212515 — ainda pouco conhecida pelos astrônomos —, aparenta estar em rota de colisão com a NGC 105, ela, na verdade, está muito distante para que isto aconteça.

A galáxia espiral NGC 105, em destaque na imagem, está localizada a 215 milhões de anos-luz da Terra (Imagem: Reprodução/ESA/Hubbke/NASA)
A galáxia espiral NGC 105, em destaque na imagem, está localizada a 215 milhões de anos-luz da Terra (Imagem: Reprodução/ESA/Hubbke/NASA)

O que a imagem revela é uma conjunção casual no céu noturno — e esses eventos são comuns frequentes na astronomia. As próprias constelações observadas da Terra só apresentam padrões por conta do alinhamento das estrelas que as compõem.

Variáveis de distância

A imagem faz parte de um conjunto de dados do Hubble usados para examinar galáxias vizinhas que possuam dois fenômenos: as cefeidas e explosões cataclísmicas de supernovas. Enquanto o primeiro é uma de estrela de brilho variável, o segundo é o fim da vida de uma estrela massiva.

A Cefeida V1, localizada na borda da galáxia Andrômedra, tem seu brilho regular usado para medir distâncias no universo (Imagem: Reprodução/ESA/Hubble/NASA)
A Cefeida V1, localizada na borda da galáxia Andrômedra, tem seu brilho regular usado para medir distâncias no universo (Imagem: Reprodução/ESA/Hubble/NASA)

Estes fenômenos são fundamentais para medir as enormes distâncias do universo. “Ao medir o quão brilhantes eles aparecem quando observados da Terra, essas 'velas padrão' podem fornecer medições de distância confiáveis”, disseram os astrônomos da Agência Espacial Europeia (ESA) envolvidos na análise.

A NGC 105 possui muitas supernovas e cefeidas, dando aos astrônomos a chance de calibrar as duas técnicas de medição de distâncias com a máxima precisão possível. Recentemente, a galáxia também foi usada para medir a velocidade com a qual o universo se expande.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos