Mercado fechará em 1 h 26 min
  • BOVESPA

    109.650,88
    +1.637,41 (+1,52%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.923,43
    +100,20 (+0,19%)
     
  • PETROLEO CRU

    87,05
    +0,09 (+0,10%)
     
  • OURO

    1.844,00
    +0,80 (+0,04%)
     
  • BTC-USD

    43.230,69
    +1.013,57 (+2,40%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.027,67
    +32,41 (+3,26%)
     
  • S&P500

    4.591,99
    +59,23 (+1,31%)
     
  • DOW JONES

    35.405,13
    +376,48 (+1,07%)
     
  • FTSE

    7.585,01
    -4,65 (-0,06%)
     
  • HANG SENG

    24.952,35
    +824,50 (+3,42%)
     
  • NIKKEI

    27.772,93
    +305,70 (+1,11%)
     
  • NASDAQ

    15.270,75
    +237,25 (+1,58%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1038
    -0,0636 (-1,03%)
     

Fotógrafo niteroiense ganha prêmio internacional com imagens de fiéis evangélicos

·2 min de leitura

NITERÓI — Com apenas 22 anos de idade, o fotógrafo niteroiense Ian Cheibub acaba de ganhar mais uma premiação internacional. Na semana passada, ele foi anunciado como vencedor do prêmio Ian Parry Scholarship — um dos mais importantes de fotografia para jovens fotógrafos — por seu trabalho documental “Golgotha”, sobre o processo de transformação do Brasil em um país evangélico, na esteira do bolsonarismo.

Morador de Santa Rosa e estudante de Estudos de Mídia na UFF, ele trabalha como fotógrafo para jornais e revistas dos Estados Unidos e da Europa. Em 2019, ganhou dois prêmios no Visa Pour L’image, o maior festival de fotojornalismo do mundo, com um projeto sobre o Hospital de Jurujuba. O ensaio foi um dos selecionados pelo programa de estudantes da Canon que escolhe um dentre mais de 30 portfólios pré-selecionados. Nesse mesmo festival, foi comissionado pela “GEO Magazin”, a maior revista da Alemanha, para fazer o trabalho que resultou em “Golgotha”.

Cheibub destaca que seu trabalho não faz juízo de valores. As fotos foram clicadas em diferentes regiões do país. Além de Rio, Niterói e São Gonçalo, ele fotografou em Brasília, para mostrar a atuação da bancada evangélica, e na Região Amazônica.

— Sou muito grato a todas as pessoas da igreja que me receberam. Apesar de não ser evangélico, respeito a religião. É um processo e temos que entender o que está acontecendo no nosso país. Não dá para dizer que metade da população do brasileira é estúpida por conta da sua fé. Para mim, esse trabalho também foi uma quebra de estereótipos e paradigmas muito grande. Dentro do ensaio, registrei pessoas importantes para o país, e é difícil colocar todo mundo numa caixinha só —pondera o fotógrafo.

Ele destaca entre as cenas que mais o marcaram o culto de libertação, “por ser o mais diferente”, e a evangelização de indígenas, tema mais complexo. E o trabalho de registrar a evangelização no país não para por aí:

— Vou continuar com essa temática, que é mais urgente. Essa história começou a ser contada e sou um dos primeiros a contar isso em um trabalho documental de fotos. Teremos eleições no ano que vem, e acredito que os evangélicos serão peças-chave. Quem conseguir melhor dialogar com eles tem mais chances de levar —avalia.

SIGA O GLOBO-BAIRROS NO TWITTER (OGlobo_Bairros)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos