Mercado abrirá em 6 h 51 min
  • BOVESPA

    108.376,35
    -737,80 (-0,68%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.006,11
    +197,55 (+0,44%)
     
  • PETROLEO CRU

    77,34
    -1,16 (-1,48%)
     
  • OURO

    1.630,00
    -6,20 (-0,38%)
     
  • BTC-USD

    18.842,06
    -1.336,31 (-6,62%)
     
  • CMC Crypto 200

    431,07
    -28,07 (-6,11%)
     
  • S&P500

    3.647,29
    -7,75 (-0,21%)
     
  • DOW JONES

    29.134,99
    -125,82 (-0,43%)
     
  • FTSE

    6.984,59
    -36,36 (-0,52%)
     
  • HANG SENG

    17.395,16
    -465,15 (-2,60%)
     
  • NIKKEI

    26.061,53
    -510,34 (-1,92%)
     
  • NASDAQ

    11.252,25
    -81,50 (-0,72%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1400
    -0,0199 (-0,39%)
     

Fortuna de Zuckerberg cai US$ 71 bi com problemas da Meta

(Bloomberg) -- A investida de Mark Zuckerberg no metaverso está custando caro no mundo real.

Mesmo em um ano difícil para quase todos os gigantes de tecnologia americanos, a contração da fortuna do CEO da Meta salta aos olhos. Ela já encolheu mais que pela metade, com queda de US$ 71 bilhões até agora este ano, a maior perda entre os ultra-ricos monitorados pelo Bloomberg Billionaires Index.

Com US$ 55,9 bilhões, seu patrimônio líquido agora ocupa o 20º lugar entre os bilionários globais, sua posição mais baixa desde 2014 e atrás de três membros da família Walton e dois da família Koch.

Faz menos de dois anos que Zuckerberg, de 38 anos, valia US$ 106 bilhões e fazia parte de um grupo de elite de bilionários globais, com apenas Jeff Bezos e Bill Gates na sua frente. Sua riqueza atingiu um pico de US$ 142 bilhões em setembro de 2021, quando as ações da empresa chegaram a US$ 382.

No mês seguinte, Zuckerberg mudou o nome da empresa de Facebook para Meta. Desde então, o papel foi ladeira abaixo, com dificuldade em se firmar no universo da tecnologia.

Os balanços recentes têm sido péssimos. Tudo começou em fevereiro, quando a empresa não registrou crescimento no número de usuários mensais do Facebook, provocando um colapso histórico no preço da ação e reduzindo a fortuna de Zuckerberg em US$ 31 bilhões do dia para noite, um dos maiores tombos de todos os tempos de uma fortuna em um único dia.

Outros problemas incluem a aposta do Instagram no Reels — sua tentativa de fazer frente ao TikTok — em um momento em que o setor fatura menos com anúncios em meio a preocupações com uma desaceleração econômica.

As ações também sofrem com os investimentos da empresa no metaverso, disse Laura Martin, analista sênior de internet da Needham & Co. Zuckerberg disse esperar que o projeto perca quantias “significativas” de dinheiro nos próximos três a cinco anos.

A empresa com sede em Menlo Park, Califórnia, está se saindo pior em 2022 do que a maioria de seus pares. Caiu cerca de 57% este ano, muito mais do que as quedas de 14% da Apple, 26% da Amazon e 29% da Alphabet. Está até chegando perto do Netflix, que amarga um declínio de cerca de 60%.

Se não fosse por seu esforço em realidade virtual, a gigante da mídia social “estaria mais alinhada com a Alphabet”, disse Mandeep Singh, analista de tecnologia da Bloomberg Intelligence. A Meta poderia contornar esse problema desmembrando alguns de seus outros negócios, como WhatsApp ou Instagram, disse.

Quase toda a riqueza de Zuckerberg está vinculada às ações da Meta. Ele detém mais de 350 milhões de ações, de acordo com a última declaração da empresa.

More stories like this are available on bloomberg.com

©2022 Bloomberg L.P.